Portugal: Fabricam-se menos automóveis, caem as exportações

A produção automóvel em Portugal está em queda há dez meses consecutivos. E as exportações também estão a abrandar.

A produção automóvel em Portugal está em queda desde o início do ano. O alerta foi dado pela Associação Automóvel de Portugal, que indicou ainda, em comunicado, que as exportações de veículos fabricados no país também estão a abrandar.

Em outubro, as fábricas portuguesas “lançaram mais 11.411 viaturas novas” no mercado, avança a associação. É uma queda de 19,6% em termos homólogos. Em detalhe, são menos 21,3% de ligeiros, menos 12,3% de ligeiros comerciais e menos 27,4% de automóveis pesados.

Já nos dez primeiros meses do ano, Portugal fabricou algo como 120.906 novos veículos. Desses, a maioria foram ligeiros de passageiros. O número representa também uma queda de 11,3% em reação aos mesmos dez meses de 2015.

A indústria automóvel pesa 4,4% no Produto Interno Bruto (PIB) do país, recorda a associação. Gera ainda 6,5% do emprego da indústria transformadora, frisa.

Exportações em queda

Quanto às exportações, representaram, em outubro, 96,7% das unidades fabricadas. É, ainda assim, uma quebra na ordem dos 18,4%. Alargando o período, 95,3% dos automóveis fabricados entre janeiro e outubro foram exportados para países como Alemanha (23,5%) e Espanha (15,%).

A Associação Automóvel de Portugal refere ainda que “a Europa absorveu 91% das exportações nacionais”, à frente da Ásia, que “registou uma penetração nas exportações nacionais” na ordem dos 6,6%. Com uma fatia de 5,9%, a China “dominou a região”. E fica a faltar falar do continente africano: “Adquiriu 1,8% das exportações nacionais” de automóveis, avança a entidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal: Fabricam-se menos automóveis, caem as exportações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião