Merkel enterra TTIP

  • Lusa e ECO
  • 17 Novembro 2016

Merkel admitiu que o acordo de livre comércio entre os Estados Unidos e a União Europeia não será concluído agora.

A chanceler alemã admitiu hoje que o acordo de livre comércio entre os Estados Unidos e a União Europeia não será concluído agora, após a eleição de Donald Trump, opositor daquele Tratado e defensor de uma política comercial protecionista.

“Sempre estive firmemente empenhada na conclusão de um acordo de comércio [Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento, TTIP na sigla em inglês] com os Estados Unidos, e fizemos muitos progressos nas negociações, mas não serão concluídas agora”, afirmou Angela Merkel, após conversações com o ainda Presidente norte-americano, Barack Obama, que está a realizar uma visita oficial à Alemanha, naquele que será o seu último périplo europeu enquanto Chefe de Estado.

O acordo de livre comércio transatlântico está em negociação desde 2013 e era um dos principais focos da Administração Obama.

Ao lado de Obama, Merkel afirmou esperar, no entanto, que o acordo seja possível “um dia”. “Tenho a certeza que um dia poderemos voltar”, disse.

“O que nos une é a convicção comum de que a globalização deve ser organizada humanamente, politicamente, mas não há como voltar ao tempo antes da globalização”, reforçou a chanceler.

Estas declarações vêm confirmar o alerta deixado pelo ministro eslovaco do Comércio, Peter Ziga, cujo país ocupa a presidência rotativa da União Europeia, a 23 de setembro. “Não é realista [pensar que é possível] alcançar um acordo final ainda durante a presidência de Obama”, disse o responsável. Apesar da contestação crescente que o acordo tem vindo a conquistar junto dos europeus, os governos tentaram hoje fazer um último esforço para pressionar o avanço das negociações que há muitos os analistas vaticinam estarem condenadas. De facto, ao final do dia, o sprint final falhou.

Da sua parte, Obama sublinhou que a chanceler alemã foi uma parceira internacional “extraordinária”, afirmando que a política demonstrou integridade, veracidade e o reconhecimento de que ser um bom líder significava também se envolver com o mundo.

“Tudo o que posso dizer é que a chanceler tem sido uma parceira extraordinária e que a chanceler Merkel foi talvez o único líder entre os nossos aliados mais próximos que estava presente quando eu cheguei”, referiu o Presidente norte-americano cessante, acrescentando que, caso fosse alemão e Merkel candidata nas eleições legislativas de 2017, votaria nela sem qualquer dúvida.

“Tento seguir a regra de não me intrometer na política de outros. Tudo o que posso dizer é que a chanceler Merkel tem sido uma parceira extraordinária”, reforçou, quando questionado sobre o seu apoio a uma possível nova candidatura da política alemã, no poder há 11 anos.

Ainda na conferência de imprensa conjunta com Merkel, Barack Obama declarou esperar que o seu sucessor na Casa Branca, o Presidente eleito Donald Trump, “enfrente” a Rússia quando Moscovo violar as normas internacionais, numa referência aos conflitos na Síria e na Ucrânia.

“Espero que o Presidente eleito tenha a vontade de enfrentar a Rússia quando ela não respeitar os nossos valores e as normas internacionais”, declarou.

Ao citar “a violação das normas internacionais”, o governante salientou o risco de colocar “países mais pequenos vulneráveis” ou de criar “problemas a longo prazo em regiões como a Síria”.

“É um assunto sobre o qual teremos mais informações mais à frente e à medida que o Presidente eleito componha a sua equipa”, prosseguiu Obama, numa altura em que se discute a manutenção das sanções existentes contra Moscovo na sequência da crise no leste da Ucrânia.

Esta sexta e última visita oficial à Alemanha de Obama será concluída na sexta-feira com uma minicimeira “com os mais estreitos aliados europeus dos Estados Unidos”: o Presidente francês, François Hollande, a primeira-ministra britânica, Theresa May, o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, o chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy e a chanceler alemã, Angela Merkel.

Depois de uma visita à Grécia e desta passagem por Berlim, Obama segue depois para o Peru, para participar numa cimeira do Fórum de Cooperação Económica Ásia-Pacífico.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Merkel enterra TTIP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião