CGD tem menos 40 balcões e reduziu 582 trabalhadores

  • Lusa
  • 19 Novembro 2016

A CGD fechou o terceiro trimestre do ano com menos 44 balcões em Portugal e com menos 582 trabalhadores no Grupo CGD, face ao período homólogo de 2015, revelou a instituição bancária.

Na informação enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a CGD tinha em setembro deste ano 720 balcões, quando no período homólogo contava com 764.

No total do Grupo CGD, o número de balcões abertos em setembro era de 1.212, uma redução de 26 balcões, face aos 1.238 no mesmo período de 2015.

Já no que se refere ao número total de trabalhadores do Grupo CGD, em setembro último, o banco público tinha 9.489 trabalhadores, uma redução de 582 face aos 10.071 efetivos no mesmo período do ano passado.

A 24 de agosto passado, a Comissão Europeia anunciou ter chegado a um acordo de princípio com o Governo português para a recapitalização do banco “em condições de mercado”.

A operação inclui um aumento de capital até 2.700 milhões de euros, a transferência de ações da ParCaixa para a CGD no valor de 500 milhões de euros, a conversão 960 milhões de euros de instrumentos de capital contingentes (CoCo’s) subscritos pelo Estado em ações e ainda uma emissão de dívida subordinada.

O banco público será também alvo de reestruturação, tendo em julho o Governo transmitido ao Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD (STEG) que o objetivo será o de cortar 2.500 trabalhadores entre 2017 e 2020, através de reformas e saídas por acordo.

A Caixa Geral de Depósitos teve prejuízos de 189,3 milhões de euros nos primeiros noves meses deste ano, comparativamente a um lucro de 3,4 milhões de euros registados no mesmo período de 2015, divulgou hoje o banco.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD tem menos 40 balcões e reduziu 582 trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião