Governo britânico avisa para “nível sem precedentes de incerteza”

  • Lusa
  • 20 Novembro 2016

O ministro das Finanças britânico, Philip Hammond, reconheceu que o ‘Brexit’, vai originar “um nível sem precedentes de incerteza”, que afetará as previsões económica do país.

O ministro das Finanças britânico, Philip Hammond, avisou este domingo que o ‘Brexit’, vai originar “um nível sem precedentes de incerteza”, que afetará as previsões económicas do país.

Numa entrevista à televisão ITV, citada pela agência EFE, o responsável defendeu que “não faz sentido chorar sobre este facto” e sublinhou que essa incerteza será “um dos desafios” levantados pela separação entre Londres e Bruxelas, definida depois do resultado do referendo de 23 de junho.

"Vamos enfrentar um nível sem precedentes de incerteza e esse é um dos fatores que levaram a que muitos comentadores vaticinassem que haverá um abrandamento do crescimento económico.”

Philip Hammond

Ministro das Finanças do Reino Unido

“Os negócios gostam de segurança e esse é um dos desafios que enfrentamos nos próximos dois anos. Vamos enfrentar um nível sem precedentes de incerteza e esse é um dos fatores que levaram a que muitos comentadores vaticinassem que haverá um abrandamento do crescimento económico”, afirmou o político.

Acrescentou que, nessa matéria, o nível de incerteza será uma presença ao longo dos dois anos em que decorrem as negociações com a União Europeia.

Philip Hammond também reconheceu que não será claro para o Governo quais serão os futuros acordos comerciais do país quando for ativado o artigo 50 do Tratado de Lisboa, que põe formalmente em marcha o processo de dois anos de negociações para executar o ‘Brexit’.

Nesse sentido, admitiu que poderá levar mais tempo a definir alguns dos aspetos dos acordos comerciais sobre os quais Londres e os restantes 27 têm de chegar a acordo.

Apesar de a primeira-ministra britânica, a conservadora Theresa May, ter anunciado que iria ativar o artigo 50 do Tratado de Lisboa antes do final deste ano, uma decisão do Supremo Tribunal determinou que isso não pode ser feito sem a aprovação prévia do Parlamento.

O Governo já recorreu dessa decisão junto do Supremo Tribunal – a autoridade judicial máxima no Reino Unido – que irá rever o caso a partir do próximo dia 05 de dezembro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo britânico avisa para “nível sem precedentes de incerteza”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião