Antes de Trump, Bruxelas quer renovar sanções à Rússia

  • Marta Santos Silva
  • 21 Novembro 2016

Pode ser que as sanções implementadas por Obama não se mantenham, mas pelo seu lado Bruxelas já está a trabalhar para renovar as sanções à Rússia pelo seu envolvimento no conflito ucraniano.

Donald Trump aparenta ser mais próximo de Vladimir Putin do que o seu antecessor, mas Bruxelas não quer deixar que essa influência traga o fim das sanções europeias à Rússia. O objetivo é prolongar as sanções — implementadas devido à intervenção russa no conflito na Ucrânia — ainda antes de Trump se tornar Presidente dos EUA.

Segundo avançaram à Bloomberg fontes próximas das negociações, os governos europeus deverão prolongar por mais seis meses as sanções económicas que terminariam no dia 31 de janeiro. Segundo uma das fontes consultadas pela Bloomberg, estaria fora de questão não prolongar as sanções para lá do seu atual prazo, visto que a Rússia continua a não respeitar o pacto para o fim da guerra civil na Ucrânia — o único critério para o levantamento das penalizações.

A anexação da Crimeia pela Rússia em março de 2014 levou a União Europeia, apoiada do outro lado do Atlântico por medidas semelhantes implementadas por Barack Obama, a introduzir penalizações económicas à Rússia que incluem a proibição da venda de ações de empresas russas e limites à exportação de tecnologias para as indústrias da energia e do armamento na Rússia. Mas não é certo que Donald Trump seja favorável à sua manutenção.

Em intervenções durante a sua campanha presidencial, Donald Trump disse repetidamente que os Estados Unidos teriam uma “relação melhor com a Rússia” se ele fosse eleito, e chegou a dizer, mais de dois anos depois de a Crimeia ter sido anexada pela Rússia, que Putin “não vai entrar na Ucrânia”.

Mas Bruxelas não vai esperar que Trump seja confirmado Presidente dos EUA — a 20 de janeiro — para decidir o prolongamento destas sanções. Federica Mogherini, Alta Representante da UE para Política Externa e Segurança, afirmou mesmo que “a União Europeia tem uma posição muito marcada acerca da anexação ilegal da Crimeia e da situação na Ucrânia. Isso não vai mudar independentemente de possíveis alterações nas políticas de outros”.

Importa mencionar que uma estimativa interna à União Europeia, citada pela Bloomberg, indica que as empresas europeias sofreram entre 10 e 11 vezes mais do que as norte-americanas com as sanções impostas à Rússia. Em parte isso deve-se à retaliação russa, que levou à proibição de importações alimentares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Antes de Trump, Bruxelas quer renovar sanções à Rússia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião