Bruxelas prepara novo tipo de dívida senior para absorver perdas

  • ECO
  • 21 Novembro 2016

Comissão Europeia está prestar a introduzir uma nova classe de obrigações seniores para acabar de vez com os resgates aos bancos financiados pelos governos europeus.

A União Europeia está a preparar a introdução de uma nova classe de obrigações seniores desenhada para absorver as perdas no caso de falência do banco, adiantou o vice-presidente da Comissão, Valdis Dombrovskis, citado pela Bloomberg.

A criação deste novo tipo de dívida faz parte do plano de Bruxelas para colocar um ponto final aos resgates financiados pela erário público, assegurando que serão os credores responder pelos prejuízos causadas numa eventual liquidação da instituição. Atualmente, há dois tipos de obrigações: subordinadas (juniores) e as seniores. E são os primeiros obrigacionistas que respondem pela falência do banco — além dos acionistas.

Neste momento, as autoridades europeias estão a definir o grau de elegibilidade desta nova classe de dívida sénior para absorver as perdas do banco. Isto é, a definir o nível de risco que vão representar este novo tipo de dívida que, na teoria, ficará entre o de uma obrigação sénior e uma subordinada.

“O que estamos a fazer é assegurar que há uma classe de ativos que está elegível para um resgate”, referiu o Dombrovskis, numa entrevista àquela agência. “Estamos a clarificar ou, se quisermos, a harmonizar a hierarquia dos credores para saber onde se situam”, explicou o responsável.

"“O que estamos a fazer é assegurar que há uma classe de ativos que está elegível para um resgate. Estamos a clarificar ou, se quisermos, a harmonizar a hierarquia dos credores para saber onde se situam.”

Valdis Dombrovskis

Vice-presidente da Comissão Europeia

De acordo com as regras europeias, os acionistas e credores devem suportar perdas até 8% do total das responsabilidades do banco falido. Se necessário, também os obrigacionistas seniores serão chamados a financiar a liquidação da instituição.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas prepara novo tipo de dívida senior para absorver perdas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião