Banca privada a favor de um banco público

Ter um banco público é importante para servir de exemplo e referência para o mercado, defendem os presidentes dos maiores bancos privados portugueses, que querem saber quais serão as funções da CGD.

A banca privada é a favor do banco público. Os presidentes dos principais bancos privados portugueses salientam o papel de referência de mercado que a Caixa Geral de Depósitos deve assumir. “Uma luz que os bancos privados têm de ver”, diz Vieira Monteiro”. Porém, perante a indefinição em torno do futuro da instituição, os gestores privados desejam ver definidas as funções e prioridades. Sempre liderada por uma administração independente.

“Sou favorável a uma Caixa pública, nossa. Mas não para pagar, porque nesse caso mais-valia não termos um banco público. Há que definir bem as funções e quais as prioridades”, disse Nuno Amado, presidente executivo do BCP. A opinião foi corroborada pelos restantes membros do painel que interveio no Fórum Banca 2016, organizado pelo Jornal Económico e PwC.

“É fundamental que o banco publico seja uma referência do mercado. É uma luz que todos nós, os privados, temos de ver. É a nossa direção. Devem desempenhar uma função extremamente importante. Não de regulação, mas na definição de determinada política”, acrescentou António Vieira Monteiro, do Santander Totta.

"É fundamental que o banco publico seja uma referência do mercado. É uma luz que todos nós, os privados, temos de ver. É a nossa direção. Devem desempenhar uma função extremamente importante. Não de regulação, mas na definição de determinada política.”

António Vieira Monteiro

Santander Totta

Sobre a questão da independência da gestão, ambos os banqueiros foram convergentes na opinião. Ainda assim, o mais assertivo foi António Vieira Monteiro: “É bom que a gestão seja independente e não esteja sujeita aos caprichos de determinadas entidades”, salientou o antigo quadro da Caixa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca privada a favor de um banco público

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião