Dívida pública recua pela primeira vez em oito meses

  • Margarida Peixoto
  • 2 Dezembro 2016

A dívida pública na ótica de Maastricht recuou 1,2 mil milhões de euros depois de ter batido um recorde em setembro. Contudo, líquida de depósitos, a dívida voltou a subir.

A dívida pública portuguesa recuou 1,2 mil milhões de euros em outubro, para 243,2 mil milhões de euros. Esta é a primeira vez em oito meses que o número cai. Os dados foram revelados esta sexta-feira pelo Banco de Portugal.

Depois do recorde registado em setembro, quando o peso da dívida no PIB atingiu os 133,2% (o valor foi hoje revisto em alta, em uma décima, pelo Banco de Portugal), outubro trouxe um ligeiro alívio. Os 243,2 mil milhões de euros correspondem à dívida apurada na ótica de Maastricht, a que importa para a Comissão Europeia e um dos referenciais mais importantes para os mercados.

Contudo, se a análise for feita líquida de depósitos da administração central, os sinais já são menos positivos, mostrando que a diminuição do total da dívida contou com o efeito da redução da liquidez do Tesouro. Segundo o banco central, a dívida líquida de depósitos até aumentou face ao mês passado, em 1,4 mil milhões de euros, atingindo os 224,6 mil milhões de euros.

A primeira descida em oito meses

Fonte: Banco de Portugal (Valores em milhões de euros)
Fonte: Banco de Portugal (Valores em milhões de euros)

Tendo em conta que o PIB é apurado pelo Instituto Nacional de Estatística a cada três meses, o Banco de Portugal só apura o rácio da dívida sobre o PIB também trimestralmente. Usando a estimativa mais recente do Ministério das Finanças para o PIB de 2016 (a que consta do Orçamento do Estado para 2017) verifica-se que o peso da dívida continua muito acima da meta definida pelo ministro Mário Centeno. O valor fica nos 131,2%, quando é suposto terminar o ano em 129,7%.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Dívida pública recua pela primeira vez em oito meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião