Venda de cartões no Metro de Lisboa normalizada a partir de quinta-feira

  • Lusa
  • 6 Dezembro 2016

A partir da próxima quinta-feira já vão existir cartões do metro nas máquinas de venda.

A venda de cartões Viva Viagem nas máquinas instaladas nas estações do Metro de Lisboa vai ficar normalizada a partir de quinta-feira, anunciou hoje a empresa em comunicado.

“O Metropolitano de Lisboa pode agora anunciar a antecipação do restabelecimento dos procedimentos de venda automática em toda a sua rede, a partir do próximo dia 08 de dezembro, uma vez que se encontram reunidas as condições necessárias ao nível de stocks de cartões Viva Viagem”, lê-se no documento.

Este anúncio surge dois meses depois de uma “falha do fornecedor de cartões Viva Viagem na entrega prevista para setembro” ter conduzido à rotura do stock existente e consequente falta de cartões nas máquinas.

O presidente do Metro, Tiago Farias, decidiu na altura reabrir os postos de venda em todas as estações para que quem precisasse conseguisse adquirir um cartão Viva Viagem.

No comunicado, o Metro disse, ainda, que estão a ser desenvolvidos esforços para que, a partir de 15 de dezembro, as máquinas de venda “possam utilizar outra tecnologia de cartões Viva Viagem”, que lhes permitirá ter vários fornecedores e, “desta forma, reduzir substancialmente o risco de quebra futura no fornecimento de cartões”.

Tudo porque, atualmente, as máquinas só aceitam os cartões de um único fornecedor.

Afirmando que a falta de cartões nas máquinas afetou “menos de 10% dos clientes”, a empresa frisou no comunicado que a opção de reabrir os postos de venda “envolveu cerca de 400 trabalhadores que, desde o dia 15 de setembro, asseguraram a venda de mais de 1.110.000 (um milhão e cento e dez mil) cartões Viva Viagem”.

Desde aí, o Metro destaca dois períodos que classifica como “particularmente exigentes”: o dia da manifestação dos taxistas, no qual foram vendidos 29.100 cartões Viva Viagem, e entre os dias 05 e 10 de novembro (aquando da realização do Web Summit), em que o Metro vendeu cerca de 82.000 cartões.

No comunicado, o Metro enalteceu o “esforço e dedicação dos seus trabalhadores”, afirmando que “só assim foi possível responder a esta contingência e assegurar com sucesso a satisfação das necessidades de todos os nossos clientes ao longo deste período”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venda de cartões no Metro de Lisboa normalizada a partir de quinta-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião