Olá, chamo-me Pepper. Qual é o seu pedido?

A MasterCard programou o robô "Pepper" para atender clientes em restaurantes. Já está a ser testado pela Pizza Hut na Ásia e, esta terça-feira, esteve de visita a Lisboa.

O Pepper é um simpático robô japonês que foi agora programado pela MasterCard MA 0,00% para registar os pedidos dos clientes em restaurantes. Está já a ser testado no estrangeiro, mas visitou Lisboa na semana passada. A empresa tem explorado novas formas de fazer pagamentos que não passem pelos cartões físicos, de débito ou crédito, que tantas vezes nos atafulham as carteiras. Este robô é uma delas.

Para perceber como funciona, é preciso falar de outra solução: a MasterPass. Trata-se do novo sistema de pagamentos da companhia que permite pagar uma encomenda ou um serviço, presencialmente ou em certas lojas online, através de uma aplicação móvel, que é a base desta solução da MasterCard. Apesar de ainda não funcionar cá, Alberto López, responsável de pagamentos digitais na região ibérica, garante que deverá chegar a Portugal já no início de 2017 — a Espanha, chegou esta semana.

O Pepper fala inglês e tem um ecrã acoplado. O que a MasterCard fez foi ensiná-lo a atender os clientes — leia-se, desenvolver o software para isso. Certo é que o robô já está presente em estabelecimentos da Pizza Hut no continente asiático, mas não é muito diferente dos self-ordering kiosks (tablets) já existentes em alguns restaurantes de fast food.

Nas demonstrações promovidas pela MasterCard, alguém dirige-se ao robô e diz “estou com fome”. O Pepper apresenta-se e o cliente é convidado a emparelhar o telemóvel e a aplicação do MasterPass com o robô. Depois, basta dizer o que se quer da lista. O conceito do robô é que a conversa com o cliente decorra da forma mais amigável e natural possível, com o Pepper a perguntar se o cliente quer uma embalagem de batatas fritas “média ou grande”, ou se quer juntar um cheesecake em promoção à encomenda, por apenas “mais dois dólares”.

Concluído o pedido, chega o momento de pagar. Como o robô está já conectado ao telemóvel do cliente, basta uma confirmação por voz: “É tudo”, diz o cliente. O Pepper agradece e surge, automaticamente, uma notificação no telemóvel a dar conta do pagamento. O recibo pode ser, a partir daí, enviado para o e-mail ou partilhado com algum contacto.

Pagamentos, à distância de… nada

A MasterCard está também a testar formas de pagar com wearables: relógios inteligentes, pulseiras e até anéis (como o da imagem abaixo, que demonstrou esta terça-feira no Innovation Forum no Oceanário de Lisboa). Há ainda uma solução a ser desenvolvida com a Samsung para o Family Hub, o frigorífico da marca sul-coreana que ficou imortalizado por ser dos primeiros a ter um tablet gigante incorporado numa das portas. Nesse caso, é possível encomendar (e pagar) uma lista produtos de mercearia gerada pelo eletrodoméstico.

Uma das soluções da MasterCard permite fazer pagamentos com “anéis inteligentes”Flávio Nunes/ECO

Posto isto, estarão os cartões físicos obsoletos? Alberto López acredita que não e frisa que a intenção é apenas “expandir” as alternativas de pagamento à disposição dos consumidores. “Todos temos cartões físicos e esses cartões são globalmente aceites. Mas muita gente quer poder pagar de outras formas, mais simples, mais rápidas e com maior segurança”, explica ao ECO. Sobre o MasterPass, o sistema é já aceite em 300 lojas em toda a Europa e está “a crescer 14% todos os meses em transações” avança o responsável.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Olá, chamo-me Pepper. Qual é o seu pedido?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião