Olá, chamo-me Pepper. Qual é o seu pedido?

A MasterCard programou o robô "Pepper" para atender clientes em restaurantes. Já está a ser testado pela Pizza Hut na Ásia e, esta terça-feira, esteve de visita a Lisboa.

O Pepper é um simpático robô japonês que foi agora programado pela MasterCard MA 1,26% para registar os pedidos dos clientes em restaurantes. Está já a ser testado no estrangeiro, mas visitou Lisboa na semana passada. A empresa tem explorado novas formas de fazer pagamentos que não passem pelos cartões físicos, de débito ou crédito, que tantas vezes nos atafulham as carteiras. Este robô é uma delas.

Para perceber como funciona, é preciso falar de outra solução: a MasterPass. Trata-se do novo sistema de pagamentos da companhia que permite pagar uma encomenda ou um serviço, presencialmente ou em certas lojas online, através de uma aplicação móvel, que é a base desta solução da MasterCard. Apesar de ainda não funcionar cá, Alberto López, responsável de pagamentos digitais na região ibérica, garante que deverá chegar a Portugal já no início de 2017 — a Espanha, chegou esta semana.

O Pepper fala inglês e tem um ecrã acoplado. O que a MasterCard fez foi ensiná-lo a atender os clientes — leia-se, desenvolver o software para isso. Certo é que o robô já está presente em estabelecimentos da Pizza Hut no continente asiático, mas não é muito diferente dos self-ordering kiosks (tablets) já existentes em alguns restaurantes de fast food.

Nas demonstrações promovidas pela MasterCard, alguém dirige-se ao robô e diz “estou com fome”. O Pepper apresenta-se e o cliente é convidado a emparelhar o telemóvel e a aplicação do MasterPass com o robô. Depois, basta dizer o que se quer da lista. O conceito do robô é que a conversa com o cliente decorra da forma mais amigável e natural possível, com o Pepper a perguntar se o cliente quer uma embalagem de batatas fritas “média ou grande”, ou se quer juntar um cheesecake em promoção à encomenda, por apenas “mais dois dólares”.

Concluído o pedido, chega o momento de pagar. Como o robô está já conectado ao telemóvel do cliente, basta uma confirmação por voz: “É tudo”, diz o cliente. O Pepper agradece e surge, automaticamente, uma notificação no telemóvel a dar conta do pagamento. O recibo pode ser, a partir daí, enviado para o e-mail ou partilhado com algum contacto.

Pagamentos, à distância de… nada

A MasterCard está também a testar formas de pagar com wearables: relógios inteligentes, pulseiras e até anéis (como o da imagem abaixo, que demonstrou esta terça-feira no Innovation Forum no Oceanário de Lisboa). Há ainda uma solução a ser desenvolvida com a Samsung para o Family Hub, o frigorífico da marca sul-coreana que ficou imortalizado por ser dos primeiros a ter um tablet gigante incorporado numa das portas. Nesse caso, é possível encomendar (e pagar) uma lista produtos de mercearia gerada pelo eletrodoméstico.

Uma das soluções da MasterCard permite fazer pagamentos com “anéis inteligentes”Flávio Nunes/ECO

Posto isto, estarão os cartões físicos obsoletos? Alberto López acredita que não e frisa que a intenção é apenas “expandir” as alternativas de pagamento à disposição dos consumidores. “Todos temos cartões físicos e esses cartões são globalmente aceites. Mas muita gente quer poder pagar de outras formas, mais simples, mais rápidas e com maior segurança”, explica ao ECO. Sobre o MasterPass, o sistema é já aceite em 300 lojas em toda a Europa e está “a crescer 14% todos os meses em transações” avança o responsável.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Olá, chamo-me Pepper. Qual é o seu pedido?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião