Comércio internacional em queda em outubro

O comércio internacional está a diminuir mais pelo lado das exportações, mas as importações também estão em queda. Os dados do mês de outubro mostram números negativos fora e dentro da UE.

O comércio internacional de bens travou em outubro de 2016 em relação ao ano passado. As exportações sofreram uma maior queda do que as importações: -3,5% e -1,7%, respetivamente. A informação consta do destaque das Estatísticas do Comércio Internacional divulgado esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística.

Outubro foi um mês negativo para o comércio internacional, pelo menos se compararmos com 2015. As exportações diminuíram mais do que as importações, depois de uma evolução positiva em setembro. Em comparação homóloga, em setembro, as exportações aumentaram 6,7% e as importações 2,2%.

Feitas as contas, o INE revela que esta quebra no comércio internacional de outubro deve-se essencialmente “à redução de 4% registada no Comércio Intra-UE”, ou seja, o comércio entre Portugal e os 28 Estados-membros. Esta variação em setembro tinha sido positiva (+8,1%).

Taxa de variação homóloga do comércio internacional de bens

Fonte: INE (Taxa de variação homóloga, em percentagem)
Fonte: INE (Taxa de variação homóloga, em percentagem)

Por outro lado, as importações também diminuíram, mas a um ritmo menor. A razão não foi o comércio dentro da União Europeia, mas fora: as importações Extra-UE decresceram 6,4%, em relação a uma queda inferior em setembro (-3,6%).

O défice da balança comercial de bens atingiu 870 milhões de euros em outubro de 2016, mais 70 milhões de euros face ao mês homólogo de 2015. O défice da balança comercial excluindo os Combustíveis e lubrificantes situou-se em 607 milhões de euros, mais 134 milhões de euros que no mesmo mês de 2015″, conclui o destaque do INE.

Exportações: que países ajudam e que países prejudicam

Um dos fatores que os economistas e o Governo assumem como prejudicial para Portugal é a conjuntura externa. Se, por um lado, pode estar a beneficiar o comércio internacional de serviços (como o turismo, por causa do terrorismo), a conjuntura internacional está a prejudicar as exportações portuguesas de bens, o que é visível na entrada do terceiro trimestre.

Em outubro deste ano Portugal diminuiu as exportações para os quatro principais clientes na Europa: Espanha (-1,7%), França (-9,7%), Alemanha (-8,8%) e Reino Unido (-2,7%). Esta queda traduz-se numa diminuição das exportações para a União Europeia de 4%.

Evolução das exportações portugueses nos seis principais clientes

Fonte: INE (Taxa de variação homóloga, em percentagem)
Fonte: INE (Taxa de variação homóloga, em percentagem)

Fora da UE, o contributo também é negativo (-2,2%), mas é de realçar o contributo positivo dos Estados Unidos da América com um aumento de 22% que se traduz em mais 46 milhões de euros de exportações em outubro, em relação ao mesmo mês do ano passado.

Angola, um país que entra sempre nas discussões sobre o comércio internacional português e não só, continua a contribuir negativamente no que toca às exportações (-13,8%). Esta queda traduz-se em menos 27 milhões de euros de exportações em outubro, em relação ao mesmo mês do ano passado. Na mesma linha está a China com menos nove milhões de euros, uma queda de 13,8%.

Curioso sobre Angola é a evolução das importações. Em outubro de 2015, Portugal importou um milhão de euros a Angola. Um ano depois, esse valor subiu para os 129 milhões de euros, ou seja, mais 128 milhões de euros, o que se traduziu numa variação de 14.485,8%.

(Atualizado às 12:28 com gráficos)

Editado por Mónica Silvares

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comércio internacional em queda em outubro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião