Governo aprova investimento de 215 milhões de euros sobretudo na indústria transformadora

  • Lusa
  • 15 Dezembro 2016

Benefícios fiscais contribuem para a criação líquida de 525 novos postos de trabalho.

O Governo anunciou hoje que aprovou contratos para a atribuição de benefícios fiscais a seis empresas que vão investir 215 milhões de euros, sobretudo na indústria transformadora, e criar 525 novos postos de trabalho.

“Foram aprovados novos contratos de benefício fiscal para um conjunto de investimentos, o maior conjunto de investimentos dos últimos dois anos. Trata-se de 215 milhões de euros em investimentos em áreas tão diferentes como o automóvel, o plástico, a fabricação de chapas de metal, a indústria do turismo”, anunciou hoje o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, no briefing que se seguiu à reunião do Conselho de Ministros.

O governante disse que estes investimentos vão ser feitos em “áreas distintas do país”, como Bragança, Barcelos, Figueira da Foz, Arcos de Valdevez ou Porto, e sobretudo na “indústria transformadora” e com um “enorme potencial de aumento de exportações”.

“Vão contribuir não só para a criação líquida de novos postos de trabalho, de 525 postos de trabalho, mas também para a manutenção direta de 854 postos de trabalho, tendo também um efeito importante indireto nas empresas fornecedoras destes novos projetos”, disse o ministro.

Caldeira Cabral considerou que estes investimentos têm “grande relevância para o crescimento económico do país” e para os quais foram aprovados os benefícios fiscais, “dentro de um processo de investimento que estava em curso, tendo em conta a sua relevância para a modernização, inovação e para o crescimento da economia portuguesa e para a criação de emprego”.

Os investimentos são de empresas de origem francesa, canadiana, australiana e também de empresas nacionais, na mesma medida, indicou o governante, explicando que estes contratos procuram promover o investimento e “têm clausulas bem conhecidas”.

“Trata-se de um regime contratual em que são aprovados estes benefícios fiscais em regime contratual e, portanto, em que as empresas se comprometem com questões de transferência de tecnologia, inovação e de criação e manutenção de postos de trabalho”, explicou o ministro.

Os contratos foram feitos com a Celulose Beira Industrial, para a instalação de uma nova linha de descasque e destroçamento de rolaria de madeira, com a Celtejo, para a redução nas emissões de gases poluentes, com a Faurecia, para novas tecnologias automóveis, com a Fibose Portuguesa, para a implementação de tecnologia de produção de filme biorientado, com a Eurocast Portugual, para uma nova unidade industrial de fundição de peças de alumínio, e com a Waratah, para a aquisição e operação de um navio-hotel.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo aprova investimento de 215 milhões de euros sobretudo na indústria transformadora

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião