Patris vai para a bolsa a 3,20 euros por ação

Patris Investimentos entra no mercado de capitais com uma avaliação de 14,8 milhões de euros. PSI-20? "É um sonho que pode vir a tornar-se uma realidade", disse o presidente da recém-cotada.

patris

Foi a empresa 200 a entrar para o Alternext, mas apenas a terceira portuguesa. A Patris Investimentos chega esta quinta-feira à tarde ao mercado com o preço de referência de 3,20 euros por ação, o que avalia a nova cotada em 14,8 milhões de euros.

No total, foram admitidos mais de 4,635 milhões de títulos, representando a totalidade do capital desta holding seguradora, que detém ainda interesses na área da corretagem financeira e turismo. As primeiras ordens começarão a ser efetuadas já a partir das 15h00, em mercado descontinuado.

A Patris chega à Alternext, um mercado de capitais alternativo e onde a flexibilização dos deveres de informação torna mais atrativa para pequenas e médias empresa, depois de três aumentos de capital realizados ao longo do ano no montante global de 2,7 milhões de euros. Os primeiros contactos entre a Patris e Euronext com vista à listagem começaram em março. Outubro marcou o início da preparação dos documentos de admissão por parte do Montepio, que trabalho como assessor financeiro e listing sponsor. Tês meses volvidos, é tocado o sino de estreia da primeira “holding” no mercado alternativo.

“Sou um grande entusiasta do mercado de capitais”, começou por dizer Gonçalo Pereira Coutinho, presidente e principal acionista da Patris, com 18,3% do capital, em sessão especial de bolsa realizada na Euronext, em Lisboa. “Uma economia sem um mercado de capitais é sempre uma economia fragilizada. Não temos um mercado fácil com a economia em fraco crescimento. Faremos um trabalho de divulgação da empresa junto de investidores para dinamizar a nossa presença no mercado. Temos 30 acionistas. Queremos atrair mais investidores. Há fundos de investimento especialmente direcionados para as PME”, sublinhou ainda o responsável.

Do lado de Maria João Carioca, presidente da Euronext Lisboa de saída para a administração da Caixa Geral de Depósitos, as palavras foram de contentamento por ver uma empresa portuguesa entrar no mercado de capitais. “O Alternext está desenhado para as empresas que se encontram em crescimento. É uma solução mais leve de acesso ao mercado”, referiu Carioca.

Adiantou que 2017 poderá trazer mais novidades ao nível de novas admissões, com a Euronext a manter contactos com quatro empresas (duas das quais participaram na Web Summit) no sentido de preparar os trabalhos para entrar no mercado de capitais.

"Uma economia sem um mercado de capitais é sempre uma economia fragilizada. Não temos um mercado fácil com a economia em fraco crescimento. Faremos um trabalho de divulgação da empresa junto de investidores para dinamizar a nossa presença no mercado. Temos 30 acionistas. Queremos atrair mais investidores. Há fundos de investimento especialmente direcionados para as PME.”

Gonçalo Pereira Coutinho

Presidente da Patris Investimentos

A Patris Investimentos é uma “holding” seguradora, tendo sido constituída em 2006. Registou um lucro de 520 mil euros no exercício de 2015, trabalhava para 76 mil clientes, detendo ativos de 240 milhões de euros. Ao longo da última década foi crescendo sobretudo por via de aquisições. Comprou três empresas do BPN: Fincor, BPN Gestão de Activos (actual Patris Gestão de Activos) e Real Vida, seguradora independente que representa a atividade mais significativa do grupo.

“PSI-20 é um sonho”

Pereira Coutinho aproveitou os holofotes da sessão especial de bolsa para adiantar que até final do ano a Patris deverá concluir a compra de mais duas sociedades: a Finibanco Vida e a Banif Pensões. Sem adiantar os valores das operações, aquele responsável revelou que as operações estão já na fase final de apreciação por parte da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões. Mais aquisições em vista? “Todos os anos fazemos pelo menos uma aquisição”, disse o presidente da Patris de forma enigmática.

Com os pés assentes na terra, Gonçalo Pereira Coutinho admite como uma “possibilidade” vir a ser um membro do índice de referência nacional, o PSI-20. “Temos de fazer primeiro o nosso caminho. Entremos no mercado de capitais. A segunda etapa é passar para o mercado de capitais, mais exigente”, declarou. “Mas sonho que um dia possa vir a tornar-se realidade”, disse.

A Patris é a terceira empresa portuguesa a estrear-se no mercado secundário não regulamentado da Euronext Lisbon, depois de a Intelligent Sensing Anywhere (ISA), em 2012, e da Nexponor (fundo da AEP), em 2013, se terem estreado neste segmento.

(Notícia em atualizada às 13h03 com mais informações)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Patris vai para a bolsa a 3,20 euros por ação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião