Acionistas do BCP aprovam aumento do limite de votos

  • Rita Atalaia
  • 19 Dezembro 2016

Os acionistas do banco liderado por Nuno Amado já aprovaram a desblindagem de estatutos. Nuno Amado diz que "estão criadas as condições para o banco ter uma base de acionistas algo mais forte".

Os acionistas do BCP já aprovaram o aumento do limite de votos. Isto depois de os chineses da Fosun terem aumentado a participação para 16,7% e terem dito que estão interessados em conseguir mais. A Sonangol, de Isabel dos Santos, também já pediu ao Banco Central Europeu (BCE) para ter mais poder de voto.

A decisão deveria ter sido conhecida no dia 21 de novembro, mas a ausência de resposta do banco central adiou a votação para esta segunda-feira. Já é oficial: o BCP aumentou o limite de votos. Foi aprovado com 99,7% dos votos. Portanto, os acionistas podem agora votar com uma participação de até 30% e não de 20%, como acontecia até agora.

O presidente do BCP diz que a assembleia-geral “correu muito bem, com mais de 99% a votarem favoravelmente o alargamento [do limite de votos] de 20% para 30%”. Para Nuno Amado, este passo “é favorável para o banco”.

Sobre como será feito o reforço de capital a partir de agora, o responsável pelo banco português esclarece que, com a possibilidade de os acionistas aumentarem agora para os 30%, “estão criadas as condições para o banco ter uma base de acionistas algo mais forte e de acompanharem a evolução do banco. Nesse sentido, avaliaremos as consequências desta votação” A tomada de medidas necessárias será feita “rapidamente e bem, no sentido da defesa dos interesses do banco, dos seus acionistas e clientes”.

A desblindagem de estatutos acontece depois de a Fosun ter comprado 16,7% do capital do banco liderado por Nuno Amado. O conglomerado chinês passou a ser, assim, o maior acionista do Millennium bcp e já mostrou disponibilidade para aumentar esta posição até 30%. O que pode agora acontecer. “Temos os acordos que foram feitos com a Fosun e esses acordos dão-nos essa expectativa. Mas, como tudo na vida, agora temos de trabalhar nesse sentido”, explica o presidente do BCP.

Após esta posição, a Sonangol ficou com 14,87% do capital e, conjuntamente com a Inter-Oceânico (1,7%), os angolanos ficam com uma posição conjunta de 16,5%, quase idêntica à da Fosun. Mas a empresa liderada por Isabel dos Santos também já se mostrou interessada em aumentar esta posição. Para isso, pediu autorização do BCE, estando agora a aguardar a resposta de Mario Draghi.

(Notícia atualizada às 11h46 com declarações de Nuno Amado)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acionistas do BCP aprovam aumento do limite de votos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião