Ucrânia nacionaliza maior banco do país

PrivatBank, que tem operação em Portugal, foi intervencionado pelo Estado ucraniano para garantir a estabilidade do sistema financeiro do país.

O PrivatBank, o maior banco ucraniano e que tem operação em português da internet, foi nacionalizado este domingo, com o Governo de Kiev a garantir que a intervenção, proposta pelo banco central, deixa os depositantes totalmente protegidos em relação às suas aplicações financeiras, permitindo “preservar a estabilidade do sistema financeiro do país”.

O banco passa assim para a esfera pública com o acordo dos oligarcas Igor Kolomoisky e Gennady Bogolubov, acionistas maioritários do PrivatBank e que detêm ainda interesses no setor petrolífero, químico e dos media.

O resgate ao maior banco do país surge numa altura em que cresciam os receios dentro do governo e no próprio setor bancário acerca da capacidade de o PrivatBank de manter os seus compromissos quanto à limpeza do seu balanço e quanto aos rácios de capital exigidos pelas autoridades. A resolução dos problemas do setor financeiros faz parte da assistência financeira do Fundo Monetário Internacional (FMI) à Ucrânia no valor de 17,5 mil milhões de dólares.

“Estas ações têm lugar em estreita coordenação com as instituições financeiras internacionais e com o seu apoio”, referiu o governo num comunicado divulgado este domingo. A intervenção vai “proteger o PrivatBank e todo o setor bancário”, acrescentou ainda.

"Estas ações têm lugar em estreita coordenação com as instituições financeiras internacionais e com o seu apoio.”

Governo ucraniano

O PrivatBank detém mais de um terço dos depósitos privados, de cerca de seis mil milhões de dólares (5,7 mil milhões de euros). Alguns meios de comunicação locais adiantaram que vários responsáveis aconselharam o governo a avançar com uma injeção de capital no banco através de uma emissão de obrigações que seriam compradas pelo banco central.

Ainda assim, Petro Poroshenko e Valeria Gontareva, presidente ucraniano e governadora do banco central, vão revelar esta segunda-feira mais detalhes sobre o resgate ao PrivatBank, numa tentativa de controlar os receios da população acerca do setor financeiro.

No plano económico, o país tenta recuperar da grave recessão económica que levou à queda de 17% do Produto Interno Bruto (PIB) nos últimos dois anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ucrânia nacionaliza maior banco do país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião