Tem TV por subscrição? Então é mais um além dos 159 mil novos clientes deste ano

  • Ana Luísa Alves
  • 19 Dezembro 2016

A ANACOM divulgou hoje o relatório estatístico sobre o serviço de televisão por subscrição relativo ao terceiro trimestre. A conclusão é de que, no espaço de um ano, aumentou em 159 mil clientes.

As subscrições da televisão por cabo estão na moda. No espaço de um ano, o serviço de distribuição de canais de televisão por subscrição passou a chegar a 159 mil novos clientes. No final do terceiro trimestre, o serviço de distribuição tinha mais de 3,6 milhões de assinantes.

Em comunicado, a empresa referiu que as ofertas em fibra ótica foram as que mais contribuíram para o crescimento verificado, depois de registarem um aumento de 220 mil subscritores no terceiro trimestre. Por prestador de serviços, a NOS detinha 43,5% dos assinantes, à qual se segue a MEO com uma quota de 39,4%, a Vodafone, com 12,2%, e a Cabovisão com 4,7%.

“No final de setembro, cerca de 16,2% dos lares com serviço de televisão paga tinham acesso a canais premium (um aumento de 0,7% face ao ano passado), enquanto 78,7% dispunham de mais de 80 canais (um aumento de 6,7 pontos percentuais em termos homólogos)”, lê-se no comunicado da empresa.

Ainda no terceiro trimestre, 89,3% dos assinantes do serviço de distribuição de sinais de televisão por subscrição dispunham deste serviço integrado em pacote, o que totaliza 3,25 milhões de utilizadores.

Quanto a receitas, o serviço de distribuição de TV por subscrição totalizaram 1.342 milhões de euros no terceiro trimestre, o que representa um aumento de 8,6% face ao mesmo período do ano passado.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem TV por subscrição? Então é mais um além dos 159 mil novos clientes deste ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião