Frasquilho: “Venda do Novo Banco arrasta-se há tempo demais”

  • Lusa
  • 22 Dezembro 2016

O presidente da AICEP deixou alguns alertas, designadamente para a necessidade de "confiança do setor financeiro", esperando que a venda do Novo Banco "seja coroada de sucesso rapidamente".

O presidente Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), Miguel Frasquilho, defendeu a necessidade de o país continuar a “batalhar” pela completividade, mas deixou “alguns alertas”, nomeadamente quanto ao endividamento público, à elevada tributação da atividade económica e à necessidade de “confiança e de resiliência do setor financeiro”.

É certo que a conjuntura é positiva, é certo que Portugal está no radar dos investidores, mas nós temos de olhar para os sinais que nos vão sendo transmitidos”, disse, aludindo ao facto de o país ter recuado em alguns dos principais ‘rankings’ de competitividade globais, como por exemplo o do World Economic Forum.

Miguel Frasquilho defendeu a necessidade de se identificar as áreas em que Portugal se compara pior.

"É certo que a conjuntura é positiva, é certo que Portugal está no radar dos investidores, mas nós temos de olhar para os sinais que nos vão sendo transmitidos.”

Miguel Frasquilho

Presidente da Aicep

As três áreas em que comparamos pior são o endividamento público, onde estamos quase no fim da tabela: se Portugal ocupa a posição 46 em 138 países [no World Economic Forum], aqui estamos na posição 134″, apontou, acrescentando que já no caso da tributação da atividade económica, ou seja, impostos elevados sobre as empresas e famílias, o país está na posição 120.

“Também na confiança e na resiliência do setor financeiro”, Portugal está na posição 130 e “estas são áreas em que nós precisamos de atuar”, apontou.

Questionado sobre o impacto da atual situação do setor financeiro em Portugal, o presidente da AICEP afirmou que “quando há qualquer fator que introduz perturbações adicionais, isso nunca é positivo”.

E prosseguiu: “Por exemplo, eu espero que a venda do Novo Banco seja coroada de sucesso e seja coroada de sucesso rapidamente porque ela já se arrasta há tempo demais”.

Além disso, “espero que processo da Caixa Geral de Depósitos entre também num processo de acalmia, que é fundamental para o setor financeiro, estamos a falar do maior ‘player’, da maior instituição do setor onde houve claramente um processo de escolha de uma equipa de gestão que não correu como devia ter corrido, não correu bem por múltiplas e variadas razões”, acrescentou.

"Espero que processo da Caixa Geral de Depósitos entre também num processo de acalmia, que é fundamental para o setor financeiro, estamos a falar do maior ‘player’, da maior instituição do setor onde houve claramente um processo de escolha de uma equipa de gestão que não correu como devia ter corrido, não correu bem por múltiplas e variadas razões.”

Miguel Frasquilho

Presidente da Aicep

“Interessa também que os outros ‘players’ no setor, os maiores, encontrem a estabilidade que também têm vindo a procurar. (…) Se as instituições com maior peso conseguirem encontrar a tranquilidade que todos desejamos, então ficaremos com uma situação que ajudará também à recuperação da economia, porque um setor financeiro que não tem estabilidade, não transmite essa imagem de confiança, também não consegue auxiliar a economia como ela precisa de ser auxiliada”, concluiu o presidente da AICEP.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Frasquilho: “Venda do Novo Banco arrasta-se há tempo demais”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião