Passos: Governo fez “encenação” com solução para os lesados do BES

  • Lusa
  • 22 Dezembro 2016

O ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho acusou o Governo de ter feito "uma encenação" com o anúncio da solução para os lesados do BES. E espera que António Costa explique tudo no debate quinzenal.

O presidente do PSD acusou o Governo de ter feito “uma encenação” ao anunciar uma solução para os lesados do BES e disse esperar que o primeiro-ministro explique hoje no parlamento se a solução envolve riscos para os contribuintes. Em declarações aos jornalistas à margem do IV Encontro Anual do Conselho da Diáspora, em Cascais, Pedro Passos Coelho lamentou ter de comentar um assunto sobre o qual nada sabe, quando questionado sobre a anunciada solução para os lesados do Banco Espírito Santo (BES).

“É um vício deste Governo. Faz anúncios, faz encenações, depois dá de forma particular, mas sem assumir a paternidade, informações a órgãos de comunicação social. E depois acha que com isso as pessoas ficam informadas sobre o que se vai passar. Mas não é bem assim, o Governo tem de dizer o que a gente não sabe”, disse o ex-primeiro-ministro.

Para o líder da oposição, “o Governo não respondeu à oposição nem respondeu aos jornalistas e portanto fez uma encenação”, o que considerou “lamentável”. “Dizem-nos apenas que tudo acabará bem, que as pessoas acabarão ressarcidas das perdas que tiveram, que isso não terá reflexo nas contas públicas, nem nos bolsos dos portugueses”, recordou.

Pedro Passos Coelho lembrou que hoje há um debate no parlamento e afirmou: “Espero que o primeiro-ministro explique qual é a solução, que riscos é que ela pode envolver. Eu espero que ela não envolva riscos para os contribuintes, porque, se envolver, então aquilo que se está a prometer é um engano”.

Para o ex-governante, seria “muito negativo” que o custo recaísse sobre os contribuintes, porque “os portugueses não têm nenhuma culpa desse processo e portanto não têm nada que pagar por esses processos”. “Se for assim, então a encenação que foi feita é para dizer o que é simpático a uns – os que perderam – e para ocultar aos portugueses que são eles que vão pagar, o que seria uma coisa intolerável”, disse Passos Coelho, concluindo: “Alguém vai ter de pagar e isso parece-me um mau princípio”.

O Governo apresentou na segunda-feira o mecanismo que permitirá minorar as perdas de cerca de 4000 clientes do BES que compraram papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES), que foi à falência, e cujo reembolso nunca receberam. Segundo o primeiro-ministro, António Costa, compete agora a cada um dos lesados “avaliar e decidir da sua adesão a esta solução”, que no seu entender consiste num “compromisso equilibrado” que permite reforçar a confiança no sistema financeiro português. “Não conseguimos o milagre de endireitar a sombra de uma vara torta”, considerou o primeiro-ministro, declarando a sensação de “dever cumprido”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passos: Governo fez “encenação” com solução para os lesados do BES

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião