Compras de Natal com multibanco superam os três mil milhões

Portugueses deram preferência ao Multibanco para realizarem as compras de Natal. No total, fizeram mais de 82 milhões de compras com recurso à rede de pagamentos num total de 3,27 mil milhões de euros

O dinheiro eletrónico continua a substituir o dinheiro físico no hábito de consumo em Portugal e essa evidência ficou ainda mais expressa nesta quadra natalícia com os portugueses a recorrerem mais do que nunca à rede de pagamentos Multibanco para efetuarem as suas compras de Natal.

De acordo com os dados da SIBS, entre 28 de novembro e 25 de dezembro, foram realizadas 82,8 milhões de compras através dos terminais de pagamento automático, totalizando os 3.277 milhões de euros, mais 9,3% face ao mesmo período ano passado. Cada compra registada no Multibanco apresentou um valor médio de 40 euros, o mesmo que no ano passado.

No mesmo período, também foram efetuados mais levantamentos: um total de 34,5 milhões de vezes que os portugueses foram a uma caixa multibanco levantar dinheiro, num montante total de 2.291 milhões de euros — aproximadamente 69 euros por cada levantamento.

Estes dados foram divulgados pela SIBS, que opera a rede multibanco em Portugal, no âmbito da publicação regular Dados Estatísticos do Natal de 2016, que permite acompanhar o ritmo de consumo das famílias portuguesas durante o mês de dezembro.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Compras de Natal com multibanco superam os três mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião