Domingues ouvido no Parlamento a 4 de janeiro

  • Rita Atalaia
  • 27 Dezembro 2016

O presidente demissionário da CGD vai falar sobre a demissão do banco público no Parlamento. António Domingues não será ouvido na comissão de inquérito, mas terá de ir à COFMA prestar contas.

António Domingues vai falar sobre a sua demissão da presidência da Caixa Geral de Depósitos (CGD) em janeiro. O presidente demissionário do banco público, que vai ser substituído por Paulo Macedo no início do ano, não será ouvido na comissão de inquérito à gestão da Caixa. Mas terá de ir ao Parlamento explicar-se, sem ter de respeitar as regras de um inquérito parlamentar.

O presidente demissionário da CGD vai a 4 de janeiro, pelas 10h, à comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA), “no âmbito da Caixa Geral de Depósitos”, lê-se no documento publicado no site do Parlamento. António Domingues deverá explicar aos deputados os motivos da sua demissão e a polémica em torno dos salários da CGD, incluindo a recusa de entregar a declaração de rendimento e património ao Tribunal Constitucional (TC).

Entretanto aguarda-se que o TC se pronuncie sobre se os salários dos gestores da CGD devem ser tornados públicos. Uma decisão que só deverá ser conhecida a partir de 3 de janeiro, que é quando acabam as férias judiciais.

O PSD também queria que Domingues fosse ouvido na comissão parlamentar de inquérito à gestão da CGD. Mas a esquerda opôs-se, libertando António Domingues de ter de respeitar as regras de uma comissão de inquérito, como responder obrigatoriamente às questões dos deputados. Mário Centeno também foi convocado. “Entendemos que a comissão competente é a COFMA e foi essa a razão pela qual entregámos estes dois requerimentos para ouvir o demissionário presidente da CGD e o ministro das Finanças”, justificou o deputado socialista João Galamba.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Domingues ouvido no Parlamento a 4 de janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião