Bagão Félix: “Não tratei CGD como direção-geral”

  • Rita Atalaia
  • 20 Dezembro 2016

O antigo ministro das Finanças diz que nunca tratou a CGD como uma direção-geral. Por isso, não cabia ao Governo a supervisão do banco público. Nega também que houvesse relação com administração.

Bagão Félix defende que nunca ficou tentado a tratar a Caixa Geral de Depósitos (CGD) como uma direção-geral. E que, por isso, não era sujeita à supervisão do Governo. “Era um banco como os outros” e, por esse motivo, deveria ser monitorizada pelas autoridades da concorrência, supervisão e regulação. O antigo ministro das Finanças também nega qualquer relação com a administração da CGD. Assim como Manuela Ferreira Leite, Bagão Félix diz que nunca interferiu na gestão da CGD ou nos créditos concedidos.

O antigo ministro, que assumiu a pasta das Finanças durante oito meses no Governo de Santana Lopes, diz ainda que “nunca tive a tentação de tratar um banco totalmente público num mercado de concorrência completa como uma direção geral. A CGD não é uma direção geral”, por isso não era sujeita à supervisão do Governo.

Esta supervisão cabia, segundo Bagão Félix, às autoridades de concorrência, supervisão e regulação, uma vez que era “um banco como os outros”. Bagão Félix recebeu na altura os pedidos de demissão do presidente e vice-presidente da CGD, António de Sousa e Mira Amaral, respetivamente. “A partir daí, a minha principal preocupação foi começar a construir uma nova equipa para a CGD”, convidando Vítor Martins para liderar o banco público.

"Nunca tive a tentação de tratar um banco totalmente público num mercado de concorrência completa como uma direção geral. A CGD não é uma direção geral”

Bagão Félix

Antigo ministro das Finanças

Mas Bagão Félix deixa claro: nunca teve uma relação com a administração da CGD. “Nunca tive qualquer relação com administração da Caixa Geral de Depósitos e em particular com o seu presidente que dissesse respeito a operação de crédito, ou por minha iniciativa ou da administração da CGD”, explica. “Quando um Governo, através de um ministro da tutela, tem uma relação com a administração da CGD, não é em princípio bom sinal. Bom sinal é que estas questões não se coloquem.”

Bagão Félix

Bagão Félix também defende que a CGD não deve ter um modelo dualista de governação — com Conselho de Administração e Comissão Executiva. “Tendo apenas um acionista, não deve ter um modelo dualista de governação. Não me parece que faça sentido. Seja expressamente assumido ou não”, explica Bagão Félix na comissão de inquérito à gestão da CGD. “Os modelos dualistas têm a virtualidade de poderem defender os interesses minoritários, mas aqui não há interesses minoritários. Há o interesse do Estado”, nota.

"Nunca tive qualquer relação com administração da Caixa Geral de Depósitos e em particular com o seu presidente que dissesse respeito a operação de crédito, ou por minha iniciativa ou da administração da CGD”

Bagão Félix

Antigo ministro das Finanças

A comissão com Bagão Félix segue-se à de Manuela Ferreira Leite e é a última do ano. Em janeiro haverá praticamente uma comissão por semana, começando já no dia 3 com António José de Sousa, antigo presidente do conselho de administração da CGD.

“Sinto-me mal com esta humilhação”

Falando sobre o papel do Banco Central Europeu na aprovação dos nomes escolhidos para a CGD, Bagão Félix diz que é uma humilhação. “Não me sinto bem como português ver autoridades europeias e o BCE dizerem que os administradores têm que ter um curso adicional de formação ou dizer quem é adequado [para os cargos]. Sinto-me mal com esta humilhação de soberania a que estamos sujeitos”, diz o antigo ministro.

“Num banco que só tem um acionista que é o Estado deixem os pormenores para quem está cá”, acrescenta Bagão Félix ao deputado João Galamba.

(Notícia atualizada às 16h34)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bagão Félix: “Não tratei CGD como direção-geral”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião