Trump: “Pensei que a transição seria suave. Mas não!”

  • Lusa
  • 28 Dezembro 2016

O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, criticou Barack Obama por, alegadamente, dificultara transição presidencial. Declarações surgiram na conta do magnata, no Twitter.

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou hoje o ainda chefe de Estado norte-americano, Barack Obama, de fazer declarações “inflamatórias” e de dificultar o processo de transferência de poder. “Estou a fazer o meu melhor para ignorar os muitos obstáculos e declarações inflamatórias do Presidente [Barack Obama]. Pensei que a transição seria suave. Mas não!”, escreveu o Presidente eleito na sua conta na rede social Twitter, sem especificar o género de obstáculos, nem as referidas declarações de Obama.

Donald Trump, vencedor das eleições do passado dia 8 de novembro, será empossado a 20 de janeiro de 2017, numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington. Dois dias depois das eleições, Trump e Obama encontraram-se na Sala Oval, o escritório presidencial na Casa Branca, e tentaram colocar de lado as divergências e os ataques dos longos meses de uma campanha eleitoral agressiva e amarga. Na mesma altura, os dois manifestaram o desejo de realizar uma transição pacífica.

Na passada segunda-feira, durante uma entrevista, Obama afirmou acreditar que seria reeleito para um terceiro mandato caso a Constituição norte-americana permitisse a sua candidatura. O Presidente eleito utilizou igualmente a rede social Twitter para responder a Obama: “Nem pensar!”.

Também via Twitter, Trump manifestou mais uma vez o seu apoio a Israel, após o Conselho de Segurança das Nações Unidas ter votado na sexta-feira passada uma resolução que exigia o fim “imediato” da política de colonatos israelita em Jerusalém-leste, bem como nos territórios ocupados da Cisjordânia.

Os Estados Unidos abstiveram-se na votação da resolução, posição que gerou controvérsia e a ira de Telavive, uma vez que Israel sempre contou com o apoio de Washington neste dossiê sensível. A posição norte-americana, que aconteceu pela primeira vez desde 1979, permitiu a adoção da resolução, aprovada pelos outros 14 membros do Conselho de Segurança.

“Não podemos continuar a deixar que Israel seja tratado com um total desprezo e com tal desrespeito”, escreveu o multimilionário. “Estavam habituados a ter um grande amigo nos Estados Unidos, mas já não é o caso. O início do fim foi aquele acordo horrível com o Irão [sobre o programa nuclear iraniano] e agora (na ONU)! Mantenha-se forte Israel, o dia 20 de janeiro está próximo”, acrescentou Trump.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump: “Pensei que a transição seria suave. Mas não!”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião