Intel a reinventar-se, aposta nos carros conectados

A Intel vai comprar 15% da Here, uma empresa que faz mapas para automóveis conectados. Fá-lo, com a era inteligente e da condução autónoma no horizonte, um mercado onde vê potencial.

A Intel INTC 0,68% vai comprar 15% da empresa de mapeamento Here, uma operação que deverá dar entrada à gigante dos processadores no mundo dos carros conectados e da condução autónoma.

A informação já foi confirmada por ambas as companhias, mas nem os termos do acordo nem o montante da compra foram revelados. A Here é a empresa que desenvolve os mapas interativos e em tempo real para os computadores de bordo de 80% dos automóveis com esta funcionalidade na Europa e na América do Norte. Sabe-se que a Intel irá também dar cartas ao nível da investigação e desenvolvimento deste tipo de tecnologia, como um compromisso assumido com a aquisição desta parcela.

A Intel fabrica processadores para computadores. Mas é um mercado em declínio.David Paul Morris/Bloomberg

A Here é um consórcio detido pela BMW, pela Daimler e pela Audi (Volkswagen) e a compra ainda terá passar pelo crivo do regulador alemão da concorrência. Segundo a Bloomberg, as três fabricantes automóveis compraram a Here à Nokia em 2015 num negócio avaliado em 2,8 mil milhões de euros.

De acordo com a agência, Brian Krzanich, presidente executivo da Intel, espera que a empresa se torne a fornecedora de módulos de processamento para as fabricantes automóveis na era dos carros inteligentes e sem condutor. A empresa estará ainda a procurar expandir horizontes, apostando em novos mercados com potencial de crescimento, num período marcado pelo declínio do mercado dos computadores — o setor-chave para esta companhia.

Recorde-se que, na última semana, o fundo singapuriano GIC, a concorrente chinesa NavInfo e o fornecedor de serviços online Tencent chegaram a um acordo para comprar uma fatia de 10% da Here.

Gráfico: Cotação da Intel Corp no Nasdaq (em dólares)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Intel a reinventar-se, aposta nos carros conectados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião