May: Britânicos não devem esperar manter “pedaços” dos direitos adessão à UE

  • Lusa
  • 8 Janeiro 2017

A primeira-ministra britânica afirmou que o Reino Unido não pode estar à espera de manter "pedaços" dos seus direitos de adesão à União Europeia depois de sair dela, tais como acesso ao mercado único.

Theresa May, em entrevista à cadeia de televisão Sky News divulgada este domingo, foi questionada sobre se iria dar prioridade ao controlo da imigração ou à permanência no mercado comum da União Europeia (UE).

“As pessoas falam frequentemente como se, de alguma forma, nós pudéssemos sair da União Europeia, mas mantendo pedaços [dos direitos] de adesão à UE. (…) Nós vamos sair. Nós estamos a sair. Não vamos continuar a ser um membro da UE“, respondeu Theresa May.

Assim, disse, a questão é a de saber “qual será o tipo de relacionamento correto entre o Reino Unido e a União Europeia quando estivermos fora”.

"As pessoas falam frequentemente como se, de alguma forma, nós pudéssemos sair da União Europeia, mas mantendo pedaços [dos direitos] de adesão à UE. (…) Nós vamos sair. Nós estamos a sair. Não vamos continuar a ser um membro da UE.”

Theresa May

Primeira-ministra britânica

“Vamos ter a capacidade de controlar as nossas fronteiras, controlar as nossas leis”, sublinhou.

Por outro lado, Theresa May garantiu que a estratégia do governo para o Brexit não é “uma confusão”, na sequência de críticas nesse sentido do antigo embaixador britânico junto da UE Sir Ivan Rogers.

Os partidos que criticam as opções do Governo quanto ao Brexit têm exigido mais pormenores sobre a estratégia de saída do Reino Unido e Theresa May prometeu dar mais explicações “nas próximas semanas”.

“Todos os que olham para esta questão da livre circulação de pessoas e mercadorias como uma espécie de jogo de soma zero estão a abordar o tema de forma errada (…). Tenho ambição quanto ao que vamos conseguir obter para o Reino Unido da sua relação com a UE, porque acredito que também vai ser bom para a UE. O nosso pensamento quanto a isto não é nada confuso”, realçou.

No entanto, Theresa May ressalvou que o governo britânico também espera obter “o melhor negócio possível”, nomeadamente “que as empresas possam continuar a fazer negócio, que as empresas britânicas possam continuar a operar dentro da UE e que as empresas europeias possam continuar a fazer comércio com o Reino Unido e operar dentro do Reino Unido”.

No referendo do ano passado sobre a saída do Reino Unido da UE, 51,9% dos votantes britânicos optou pela saída, contra 48,1% que pretendiam ficar.

O governo britânico prometeu ativar o artigo 50 do Tratado de Lisboa (que dá início ao processo de saída de um Estado-membro) até março deste ano. Este mês o Supremo Tribunal britânico decide um recurso apresentado pelo Governo de May sobre uma decisão de uma instância inferior, que – na prática – sustenta que não pode ser o executivo, e sim o parlamento, a ativar esse artigo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

May: Britânicos não devem esperar manter “pedaços” dos direitos adessão à UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião