Nascimento de empresas cai pela primeira vez em três anos

Nasceram duas empresas por cada uma que encerrou no ano passado. Construção, alojamento e restauração e atividades imobiliárias são os setores mais dinâmicos.

O número de empresas criadas em 2016 caiu face ao ano anterior, mas o nascimento de empresas continua a ultrapassar as falências. A conclusão é do Barómetro da consultora Informa D&B, divulgado esta segunda-feira, que faz o balanço do ano passado.

Ao todo, foram constituídas 37.034 empresas e outras organizações no ano passado, número que representa uma queda de 2,4% face a 2015 e que interrompe um ciclo de crescimento de três anos consecutivos. Ainda assim, nota a consultora, o número de constituições manteve-se acima das 37 mil, “registo que na última década só tinha sido atingido no ano passado”.

Construção, alojamento e restauração e atividades imobiliárias foram os setores que registaram mais nascimentos de empresas, com crescimentos face a 2015 de, respetivamente, 1,6%, 3,2% e 29,6%. Os setores do retalho e da agricultura, pecuária, pesca e caça, por seu lado, foram os setores que mais contribuíram para a queda da criação de empresas.

Em sentido contrário, encerraram 15.505 empresas no ano passado, uma queda de 6,8% face a 2015, quando tinham fechado 16.634 empresas. Feitas as contas, foram criadas 2,4 novas empresas por cada uma que encerrou.

Registaram-se ainda 3.256 novos processos de insolvência, menos 23% do que em 2015.

O Barómetro dá ainda conta de que, entre 2015 e 2016, a percentagem de empresas que pagaram dentro do prazo baixou de 20,1% para 17,4%. Mas baixou também o número de empresas que pagam atrasos superiores a 90 dias.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nascimento de empresas cai pela primeira vez em três anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião