BCP voltou a cair mas Jerónimo segurou bolsa portuguesa

Ações do banco voltaram a ceder para novo mínimo histórico. Ainda assim, bolsa portuguesa fechou em terreno positivo com a Jerónimo Martins a segurar ganhos em Lisboa.

As ações do BCP voltaram a cair esta quinta-feira, mas depois de ter perdido 20% nas últimas duas sessões, a sessão de hoje revelou-se mais tranquila para a instituição liderada por Nuno Amado. A queda do banco não foi tão acentuada (caiu 2,77% para 0,822 euros) e com o bom desempenho da Jerónimo Martins, Lisboa registou os primeiros ganhos em seis sessões.

O PSI-20 somou ligeiros 0,05% para 4.592,91 pontos, um ganho suficiente para o principal índice português terminar pela primeira vez em terreno positivo desde quarta-feira da semana passada.

A segurar o índice nacional estiveram sobretudo os títulos da dona do Pingo Doce. As ações da Jerónimo Martins avançaram 0,85% para 16,06 euros, num dos melhores desempenhos em Lisboa, no dia em que se prepara para revelar os primeiros dados operacionais relativos 2016. Haitong e JPMorgan Chase já anteciparam um “forte final de ano”.

“A Jerónimo Martins irá reportar as suas vendas preliminares relativas a 2016, as quais, segundo o BPI Equity Research, deverão revelar uma forte dinâmica na Polónia”, comentam esta quinta-feira os analistas do BPI no seu Comentário de Fecho.

Mais oito cotadas acompanharam a Jerónimo Martins nos ganhos. Outro peso pesado da bolsa nacional, a Galp subiu 0,64% para 14,24 euros, acompanhando a subida dos preços do petróleo nos mercados internacionais. Outros destaques positivos também vieram do setor energético, onde a EDP e EDP Renováveis somaram 0,51% e 0,52%, respetivamente.

Observando o panorama europeu, apenas Lisboa e Madrid fecharam acima do nível da linha de água. O FTSE Mib de Milão tombou quase 2% e o alemão DAX-30 caiu mais de 1%.

“A reação negativa às palavras de Donald Trump também se refletiu nas praças europeias. Os mercados terminaram negativos, tendo o setor farmacêutico negociado entre os piores desempenhos”, explica o BPI.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP voltou a cair mas Jerónimo segurou bolsa portuguesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião