Correia de Campos ao lado dos sindicatos na TSU

O socialista criticou o acordo de concertação social assinado no final de 2016 onde está prevista uma redução da TSU paga pelos patrões para compensar a subida do salário mínimo.

O atual presidente do Conselho Económico e Social (CES), eleito a 14 de outubro, está do lado dos sindicatos: a redução da Taxa Social Única de 1,25 pontos percentuais a pagar pelas empresas, usada como contrapartida para os patrões aceitarem a subida do salário mínimo para 557 euros, é negativa para a evolução dos salários em Portugal. “Os sindicatos têm razão em ter discordâncias”, afirmou, dando razão à CGTP que não assinou o acordo.

Em entrevista ao Público — apesar de ressalvar que a opinião dada era em nome pessoal e não enquanto presidente do CES — Correia de Campos argumentou que há um efeito negativo nesta medida: “O que ela traz de menos positivo é o incentivo que representa a que os salários em vez de se organizarem numa grelha retributiva real, retribuindo diferenças de desempenho, acabam por se conglomerar, por se esmagar à volta do salário mínimo ou pouco acima dele“.

É uma solução transitória que não pode ser transformada numa solução definitiva.

Correia de Campos

Ou seja, a preocupação de Correia de Campos não é que a Segurança Social deixe de ter essa receita, até porque o cálculo de Vieira da Silva refere que a receita esperada com o aumento do salário mínimo passa de 80 milhões para 40 milhões de euros, com esta redução da TSU. Para o presidente da CES o problema é efeito da medida nos salários com o aproximar do valor do salário mínimo ao do salário médio em Portugal. Esta “é uma solução transitória que não pode ser transformada numa solução definitiva”, defendeu.

Em dezembro, no ECO Talks, o ministro do Trabalho garantiu que essa redução das contribuições não belisca o acordo de incidência parlamentar com o PCP, BE e Os Verdes. “Não creio. O Governo não fez nenhuma redução da Taxa Social Única de forma definitiva e estrutural. Esta é uma medida transitória”, que “já aconteceu noutras alturas no passado”, garantiu. Contudo, os partidos à esquerda do PS não concordam com a medida e vão levá-la ao Parlamento, tal como revelou a deputada Rita Rato ao ECO.

Sobre essas investidas no Parlamento, Correia de Campos admitiu que pode prejudicar as possibilidades de trabalho na concertação: “Não posso deixar de não dizer que limita a margem de manobra negocial, por exemplo, do Governo, mas mesmo assim o Governo ainda encontrou mecanismos para poder navegar nessa negociação.”, afirmou.

No mesmo mês, em entrevista à TSF, Correia de Campos afirmou que a economia não ia sofrer com um novo aumento do salário mínimo em 2017. “Eu não conheço nenhuma evidência de que o aumento do salário mínimo para 530 [euros] ao longo deste ano [2016] tenha sido prejudicial para a economia”, afirmou. “Bem pelo contrário, estou convencido que foi útil para a economia”, rematou.

Editado por Mariana de Araújo Barbosa (mariana.barbosa@eco.pt)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Correia de Campos ao lado dos sindicatos na TSU

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião