Novo Banco vendido às postas? Não, dizem lesados

  • ECO
  • 15 Janeiro 2017

Um grupo de quase 500 lesados do Banco Espírito Santo entregou uma providência cautelar para impedir o Banco de Portugal de dividir os ativos do Novo Banco para os vender a diferentes compradores.

Quase 500 clientes lesados pelo papel comercial vendido aos balcões do BES colocaram uma providência cautelar para impedir que o Banco de Portugal possa vender o Novo Banco de forma fracionada, considerando que ficariam prejudicados no reembolso dos seus créditos. A notícia está a ser avançada pela Lusa.

“Pretendem, nesta medida, que a Entidade Requerida [Banco de Portugal] se abstenha de vender a entidade de transição Novo Banco através de um método que pressuponha a seleção de ativos e subsequente venda dos mesmos de forma desintegrada”, lê-se no documento que deu entrada no Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa e a que a Lusa teve acesso.

Os clientes lesados que moveram esta ação consideram que esta forma de alienação, colocaria em causa a “capacidade para o reembolso de créditos” por parte do Novo Banco. Por enquanto, não está decidido o destino que será dado ao Novo Banco e o Governo não afasta nenhuma solução, incluindo a nacionalização. Perante as várias hipóteses, a Comissão Europeia diz apenas que cabe ao Governo vender a instituição.

"Pretendem, nesta medida, que a Entidade Requerida [Banco de Portugal] se abstenha de vender a entidade de transição Novo Banco através de um método que pressuponha a seleção de ativos e subsequente venda dos mesmos de forma desintegrada.”

Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa

Estes 452 clientes fazem parte dos 4.000 investidores a retalho que, através de 2.000 aplicações, investiram no total 434 milhões de euros em papel comercial das empresas Espírito Santo International e Rio Forte, através dos balcões do Banco Espírito Santo (BES), dinheiro dado praticamente como perdido aquando da queda do Grupo Espírito Santo (GES).

Desde então que estes clientes lesados reclamam, tal como explicam nesta nova ação judicial, que é do Novo Banco a responsabilidade de pagar o valor em causa.

E explicam por que motivo não querem ver o banco vendido aos pedaços: “Porque sendo os ativos do Novo Banco alienados a diferentes compradores e sendo a própria entidade desintegrada, com que possibilidades ficam os requerentes? Por essa altura, mesmo que os requerentes consigam um reconhecimento do seu direito relativamente a esta entidade de transição ou a própria anulação da resolução, de nada vai servir a sentença se não para encaixilhar.”

Estes clientes têm já uma ação a correr no Tribunal Administrativo, na qual pedem que seja o Novo Banco a reembolsá-los do dinheiro em dívida que dizem crer que irão ganhar. Contudo, como estimam que essa decisão só seja definitiva em três a quatro anos, querem evitar uma alienação parcial do Novo Banco que possa pôr em causa os seus direitos.

Assim, pedem ao Tribunal Administrativo uma “tutela antecipatória dos seus direitos”, de modo a garantirem “o efeito útil da sentença que vier a ser proferida nas ações administrativas de que são requerentes”.

Deste modo, querem que seja exigido ao Banco de Portugal que “se abstenha de vender os ativos da entidade de transição Novo Banco de forma fracionada através de um mecanismo de seleção de ativos, implicando tal procedimento, a adjudicação dos mesmos a diferentes compradores”.

Contactado pela Lusa, o advogado Nuno Vieira, que representa os clientes da providência cautelar, afirmou que esta ação judicial “nada põe em causa no acordo com o Governo”, uma vez que os lesados têm direito a “garantir os direitos” até ao momento em que efetivem o contrato de adesão ao mecanismo de compensação.

“Admito que este procedimento seja mais importante para aquelas pessoas que não pretendem aceitar a solução, mas eu não faço distinção de clientes”, afirmou o advogado, acrescentando que mesmo com “um só cliente insatisfeito com a solução nunca deixaria de exercer os seus direitos no tribunal”.

As desilusões do passado

Estes lesados lembram também que, após a resolução do BES, o Novo Banco chegou a contactá-los, dizendo que continuava “a trabalhar, conjuntamente com as entidades de supervisão, na procura de uma solução comercial a apresentar aos seus clientes”, admitindo noutra ocasião que ficou consigo o papel comercial da Espírito Santo International (ESI) e Rio Forte e que mantinha a “intenção de assegurar o reembolso”.

Aliás, recordam mesmo que a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) considerou em abril de 2015 que a responsabilidade do reembolso era do Novo Banco, acrescentando então que havia uma provisão no BES, antes da resolução, precisamente para pagar esses créditos e que também essa provisão devia passar para o Novo Banco.

Esse processo acabou por não avançar, já que o Banco de Portugal defendeu que o Novo Banco só podia assumir esse compromisso se não implicasse prejuízos financeiros e foi no final de 2016 negociado um mecanismo de solução que permitirá aos clientes que o aceitem recuperar parcialmente as perdas.

Estes clientes do papel comercial poderão ser incluídos na solução para o papel comercial negociada em 2016 (entre a Associação de Indignados e Enganados do Papel Comercial, Banco de Portugal, CMVM e ‘banco mau’ BES, com mediação do Governo).

O mecanismo de compensação foi anunciado em dezembro, está agora a começar a ser operacionalizado e passa por devolver aos clientes 75% do valor investido, num máximo de 250 mil euros, naqueles que têm aplicações até 500 mil euros, e 50% para as aplicações acima dos 500 mil, valor que será pago até 2019.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Novo Banco vendido às postas? Não, dizem lesados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião