Lacerda Machado continua no Governo até junho por 2 mil euros

O amigo do primeiro-ministro destacado para resolver casos como o da venda da TAP, os lesados do BES, o caso BPI, o veículo para o malparado e o Banif vai continuar no Governo até junho de 2017.

O advogado Diogo Lacerda Machado foi contratado novamente pelo Executivo para prestar serviços de consultadoria. O contrato antigo tinha expirado a 31 de dezembro de 2016, mas o Público noticia esta segunda-feira que já há novo contrato por mais seis meses. O salário mantém-se igual nos dois mil euros por mês.

O novo contrato mantém ainda o serviço a ser prestado por Lacerda Machado: em causa está “consultoria estratégica e jurídica, na modalidade de avença, em assuntos de elevada complexidade e especialização, na área de competência do primeiro-ministro”, escreve o Público. Isto quer dizer que o Governo pode pedir ao advogado pareceres jurídicos, assessoria no âmbito de processos negociais, incluindo mediação e conciliação, e a elaboração de relatórios, acordos ou memorandos.

[Continuo] à disposição do primeiro-ministro que, como ele próprio disse, é o meu melhor amigo.

Lacerda Machado

Consultor do Governo

A colaboração do amigo do primeiro-ministro com o Estado não começou da melhor forma com a polémica a estalar assim que se soube que o negociador representante do Governo na venda da TAP não tinha vínculo. A 15 de abril, Lacerda Machado celebrou um contrato com o Executivo de António Costa. Entre os vários dossiês que já tratou destaca-se a solução dos lesados do BES, pela qual deu a cara numa conferência de imprensa.

A extensão do contrato já tinha sido sinalizada por Diogo Lacerda Machado numa entrevista no final do ano passado. A 29 de dezembro, afirmava à Rádio Renascença que estava disponível a continuar: “[Continuo] à disposição do primeiro-ministro que, como ele próprio disse, é o meu melhor amigo. Estou à disposição dele há 35 anos. A nossa amizade tem raízes muitíssimo profundas, de enormíssimo respeito, e, portanto, enquanto puder farei para o meu melhor amigo aquilo que ele pedir e que entenda que eu possa ser útil”.

Lacerda Machado foi secretário de Estado da Justiça quando António Costa era o ministro da Justiça no Governo liderado por António Guterres.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lacerda Machado continua no Governo até junho por 2 mil euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião