Cristas: CDS vai abster-se na TSU

Assunção Cristas criticou António Costa pela sua "irresponsabilidade". "Este problema é da culpa exclusiva do Governo: o acordo está ferido de morte", reforçou a líder do CDS.

O CDS anunciou esta quarta-feira que vai abster-se nas votações que vierem a ocorrer sobre a TSU, após a apreciação parlamentar pedida pelo BE e PCP começar. A líder dos centristas, em entrevista à SIC Notícias, anunciou ainda que o CDS vai apresentar quatro propostas “para reequilibrar o acordo” conseguido em concertação social.

É com abstenção que o CDS vai marcar a sua posição sobre a redução da TSU como compensação da subida do salário mínimo. Porquê? Assunção Cristas explicou: “O CDS valoriza muito a concertação social. Não faz sentido não cumprir o acordo. Está nas mãos do CDS ter propostas positivas para compensar um problema que não fomos nós que criámos”. Apesar de valorizar a concertação social, Cristas afirmou também que a medida não é “fantástica” e terá de ser temporária.

Em causa está uma proposta para compensar as IPSS, por causa do “impacto muito grande” da medida, e outra para prolongar a redução de 0,75 pontos percentuais — em vigor até 31 de janeiro — na Taxa Social Única, em substituição dos 1,25 pontos percentuais que o Governo acordou com os parceiros para 2017. Contudo, segundo o Jornal de Negócios, que cita uma fonte oficial do partido, o PSD rejeita esta opção também.

Para os centristas, o BE e o PCP é que deveriam suportar o Executivo nesta matéria. “Discordámos a posição do PCP e do BE, por estarem a suportar o Governo, devendo dar esse apoio”, afirmou Cristas, assinalando que se demarca “completamente” dessa posição. Assunção Cristas argumenta que a posição do CDS é de “coerência” com o que fizeram enquanto Governo de coligação. “Estamos preocupados com as empresas, as IPSS e a concertação social”, afirmou.

Assunção Cristas recusou-se a comentar a estratégia do PSD, nomeadamente a conduta de Pedro Passos Coelho, passando ao ataque a António Costa: “É muito claro que há uma falha enorme do Governo e da parte do primeiro-ministro em obter um consenso do lado da sua maioria”. Para a líder do CDS este processo “põe a nu a ligeireza do primeiro-ministro”.

“É uma grande irresponsabilidade. Não o preocupa. Isso não é governar. É olhar com ligeireza para os assuntos e achar que alguém os vai resolver”, classificou a líder do CDS sobre António Costa, uma pessoa que, diz, tem, “muito pouco respeito pela sua palavra”.

Editado por Paulo Moutinho

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cristas: CDS vai abster-se na TSU

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião