Governo vai ter incubadora para Indústria 4.0

Parceria entre o CEiia e a Startup Portugal vai possibilitar incubação e aceleração de startups ligadas à digitalização da indústria no CEiia, centro de engenharia e desenvolvimento em Matosinhos.

O Governo prepara-se para anunciar a criação de uma incubadora e aceleradora a pensar na indústria 4.0. O projeto, sediado no CEiiA, em Matosinhos, insere-se na estratégia de 60 medidas que António Costa apresenta, na próxima segunda-feira, em Leiria, e que prevê o investimento de mais de dois mil milhões de euros na estratégia nacional para Indústria 4.0.

A incubadora e aceleradora, que terá sede no CEiiA, centro de engenharia e desenvolvimento de produtos para a indústria aeronáutica, automóvel e de mobilidade, será um espaço de produtização e prototipagem integrado na estratégia nacional para a Indústria 4.0, desenvolvida em paralelo com a Startup Portugal, a estratégia nacional para o empreendedorismo, lançada em 2016.

“Há um ano e meio desafiámos a Follow Inspiration a integrar o CEiiA. Tem sido um processo win-win, com muitas adaptações. Mas o projeto começou por se fazer e só agora está a ganhar corpo. A inovação nestes sectores tem de ser feita de forma aberta porque o tempo que se demora a lançar um novo produto no mercado é fundamental. Toda a transformação do ecossistema das startups tem-nos permitido olhar para esta integração da inovação de uma forma diferente”, esclarece José Rui Felizardo, CEO do CEiiA, em entrevista ao ECO.

Não quisemos inovar apenas de forma orgânica mas abrir o espaço do CEiia às startups e às grandes empresas.

José Rui Felizardo

CEO do CEiiA

A estratégia nacional para Indústria 4.0 tem vindo a ser desenvolvida há quase um ano pelo Governo em parceria com mais de 200 empresas, ouvidas em grupos de trabalho que giram em torno das formas que consideram mais eficazes em termos de apoio para aquela a que muitos chamam a 4ª Revolução Industrial. O Governo estima que o impacto destas 60 medidas chegue a mais de 50 mil empresas.

No arranque desta incubadora e aceleradora de produtização e prototipagem vão estar startups tecnológicas como a Bee Very Creative, a Follow Inspiration, a Mobi.Me e a Prodsmart, que poderão trabalhar diretamente com empresas como a Mitsubishi, a Siemens e a Autoeuropa. A ideia é que a partilha do espaço possa ajudar a transformar ideias em produtos de forma sistemática e também acelerar a fase de scale-up.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai ter incubadora para Indústria 4.0

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião