Novo Banco? “Não tenho nada a dizer. Temos uma OPA ao BPI”

Gortázar não quis fazer comentários sobre a potencial aquisição do Novo Banco. O presidente executivo do CaixaBank está concentrado na OPA ao BPI, na qual espera conseguir mais de 50% do banco.

O CaixaBank está confiante num bom resultado na oferta pública de aquisição (OPA) que tem em curso sobre o BPI. Gonzalo Gortázar espera “passar dos 50% para ficar com o controlo do banco”, mas não fala sobre potenciais outras compras no mercado português. Questionado sobre o Novo Banco, diz que não tem nada a dizer.

“Sobre o Novo Banco não tenho nada a dizer. Estamos com uma OPA ao BPI”, afirmou Gortázar, em resposta aos jornalistas na conferência de imprensa em que apresentou as contas de 2016. E mesmo sobre a OPA ao banco liderado por Fernando Ulrich, o presidente executivo reiterou a expectativa de sucesso na operação, mas não acrescentou detalhes sobre o futuro do banco.

A OPA “está em curso. Não sabemos qual será o resultado. Esperamos passar os 50% [do capital do banco, acima dos 45% atuais], para que tenhamos esse ganho de controlo do banco. Mas temos de esperar pela próxima semana” para conhecer o resultado final da oferta de aquisição em que o CaixaBank oferece 1,134 euros por cada ação do BPI.

“A OPA está em curso. Demos uma serie de informação no prospeto da OPA” pelo que Gortázar não quis acrescentar pormenores sobre os planos para o banco português. Nem mesmo sobre o futuro de Fernando Ulrich à frente do banco. “Deixo para a semana avaliar a continuidade da administração do BPI”, notou.

Contudo, Gortázar salientou que o “BPI fez um trabalho magnífico perante uma crise muito complicada, mais complicada que em Espanha”. Em resposta aos jornalistas, salientou que o CaixaBank “trabalhou com eles [com a equipa de administração do BPI durante ] mais de 20 anos e confiamos neles“, rematou.

Em Barcelona, Espanha, a convite do CaixaBank

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco? “Não tenho nada a dizer. Temos uma OPA ao BPI”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião