Gortázar: “Esperamos que o resultado da OPA seja positivo”

O presidente executivo do CaixaBank, que tem a decorrer uma OPA sobre o BPI, acredita no sucesso da oferta. A compra vai permitir ganhos com sinergias de 120 milhões de euros em três anos.

Gonzalo Gortázar, o presidente executivo do CaixaBank, está confiante no resultado da oferta pública de aquisição (OPA). “Esperamos que o resultado da OPA, que termina na próxima semana, seja satisfatório“, afirmou, sublinhando a confiança do banco catalão na instituição portuguesa, nomeadamente na equipa de gestão liderada por Fernando Ulrich.

Na conferência de imprensa de apresentação dos resultados de 2016, realizada em Barcelona, Espanha, Gortázar salientou que o BPI “representa um clara oportunidade de criar valor. É uma oportunidade”, disse. Vai permitir-nos ser o maior banco ibérico, acrescentando que prevê que a compra permita “criar sinergias de 120 milhões de euros em três anos”.

Já antes do presidente executivo, o presidente do CaixaBank tinha salientado a sua expectativa positiva relativamente à OPA em curso ao BPI. “Estamos perto de encerrar a OPA e de iniciar um projeto que acreditarmos terá sucesso”, disse Jordi Gual na conferência de imprensa de resultados de 2016.

“Estamos convencidos do potencial rentabilidade e de crescimento” do BPI, salientou Jordi Gual, no dia em que revelou lucros de 1.047 milhões de euros. No final de 2016, o banco catalão apresentava um rácio common equity Tier 1 de 13,2%, considerando o que é exigido pelos reguladores. Numa base “fully loaded”, o rácio encolheu para 12,4%, sendo que com a OPA vai cair ainda mais.

O banco diz que consoante o resultado da OPA, ou seja, a taxa de aceitação da oferta de 1,1134 euros por ação, o rácio CET1 “fully loaded” do CaixaBank vai cair para entre “11% a 11,6%”. “Em qualquer caso, o CaixaBank cumprir com os rácios de capital exigidos”, salientou o presidente do banco catalão.

Em Barcelona, Espanha, a convite do CaixaBank

(Notícia atualizada com mais declarações dos responsáveis do CaixaBank)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gortázar: “Esperamos que o resultado da OPA seja positivo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião