Popular regista pior resultado da sua história

Banco espanhol registou prejuízos recorde de 3.485 milhões de euros em 2016. Reforço de provisões em mais de 5,5 mil milhões explica piores resultados da história do Popular.

O Popular registou prejuízos de 3.485 milhões de euros em 2016, o pior resultado de sempre na história daquele banco espanhol, superando mesmo as estimativas dos analistas e a projeção inicialmente incluída no plano de negócios da instituição.

A explicar as perdas do Popular está o esforço extraordinário na constituição de provisões para limpar o balanço do banco, provisões estas que atingiram os 5.692 milhões de euros. Entre outras provisões, o banco destinou 4.200 milhões para cobrir imparidades com crédito e imóveis, 370 milhões devido ao plano de ajustamento de postos de trabalho, 240 milhões de euros para sanear o Targobank (banco conjunto que criou em Espanha com o Crédit Mutuel) e 229 milhões por causa das cláusulas suelo.

O Popular anunciou recentemente que a sua operação em Portugal vai passar a tornar-se numa sucursal do banco espanhol, uma medida que implica a integração da atividade do Popular Portugal no grupo. Esta decisão foi anunciada depois de o Popular Portugal ter anunciado em novembro do ano passado que iriam sair da instituição 295 trabalhadores e seriam encerrados 47 balcões no âmbito do processo de reestruturação.

O banco indica que os depósitos de clientes caíram 6,2%, situando-se nos 82,8 mil milhões de euros. E as comissões líquidas também baixaram, mais de 9%, para os 539 milhões de euros. O rácio de capital situou-se nos 12,12%, cumprindo “folgadamente” os requisitos das autoridades.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Popular regista pior resultado da sua história

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião