Loures não concorda com a municipalização da Carris

  • ECO
  • 6 Fevereiro 2017

O presidente da Câmara de Loures afirmou a necessidade de uma gestão intermunicipal da empresa de transporte, mas é o único da Área Metropolitana a pensar assim.

A entrega da gestão da Carris à Câmara de Lisboa é aceite por quatro dos cinco municípios da Área Metropolitana de Lisboa, com Loures a contestar a decisão do governo. A notícia é dada hoje pelo Jornal de Negócios (acesso pago), que afirma que a Câmara de Loures rejeita a municipalização da empresa de transportes.

Em declarações ao jornal, o presidente eleito pelo PCP afirma que o facto de a Carris estar sob responsabilidade exclusiva de Lisboa “põe em causa uma gestão que tem de ser metropolitana e não assegura a manutenção do serviço público de qualidade”, relembrando que os utilizadores dos serviços da empresa “ultrapassam largamente a população do concelho de Lisboa“.

Num meio-termo entre a municipalização e a partilha de gestão está a Câmara de Oeiras que, pelas palavras do independente Paulo Vistas, defende um modelo de gestão partilhado “se houver um benefício para os utilizadores e se melhorar a articulação com outros meios de transporte”.

Odivelas e Amadora posicionam-se no mesmo campo, afirmando que não há necessidade de gestão intermunicipal, exigindo ainda assim que querem ser consultadas em decisões que tragam consequências para o seu território. Quem garante que não foi, de todo, consultado acerca deste assunto é o presidente do município de Almada, Joaquim Judas, que ainda não tem uma posição definida acerca da polémica.

As bancadas parlamentares também não mostram consenso acerca deste assunto, com o PSD, o CDS e o PCP a afirmarem que esta pasta não deveria passar para as mãos da Câmara de Lisboa e o PS a garantir que esta é a opção certa. O parlamento vai discutir a gestão da Carris e também da STCP dia 24 de fevereiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Loures não concorda com a municipalização da Carris

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião