Juros portugueses corrigem em vésperas do leilão

Depois da forte subida na primeira sessão da semana, atingindo novos máximos, os juros da dívida estão em queda. Corrigem antes do regresso do país aos mercados para obter até 1.250 milhões.

Portugal voltou a estar sob os holofotes dos mercados na primeira sessão desta semana. Os juros renovaram máximos de quase três anos, mas estão de regresso às quedas. Recuam em todos os prazos na véspera de mais um leilão de obrigações do Tesouro em que o IGCP pretende financiar-se até 1.250 milhões de euros.

A dívida portuguesa foi uma das mais castigadas entre os países do euro na última sessão, mas está agora a ser também das mais beneficiadas pelo alívio registado nos mercados de dívida da região. A taxa a dez anos está a recuar quase cinco pontos base, descendo para 4,198%, depois de ter chegado aos 4,257%, no dia em que se soube que o Banco Central Europeu está a comprar menos títulos de Portugal.

Juros a dez anos estão a aliviar

Fonte: Bloomberg (Valores em percentagem)

Também Espanha, Itália e França, que esta segunda-feira viu os juros dispararem com o discurso anti-euro de Marine Le Pen, candidata às presidenciais francesas, regista-se uma tendência de quebra das taxas — e consequente valorização dos títulos. Este alívio traduz, em parte, a promessa de Mario Draghi, presidente do BCE, de que o “euro é irreversível”.

O alívio nas taxas acontece na véspera de mais uma emissão de dívida de Portugal. O IGCP conta emitir entre 1.000 e 1.250 milhões de euros em obrigações a cinco e sete anos esta quarta-feira. Esta será a segunda emissão de longo prazo do ano, depois da emissão sindicada a 10 anos realizada no dia 11 de janeiro em que o país pagou um juro de 4,3% por três mil milhões de euros em obrigações do Tesouro a dez anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros portugueses corrigem em vésperas do leilão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião