Depois dos máximos, juros da dívida aliviam

  • Rita Atalaia
  • 9 Fevereiro 2017

Os juros da dívida portuguesa estão em queda, afastando-se dos máximos alcançados nos últimos dias. Uma tendência que é transversal aos outros países da Zona Euro.

Os juros da dívida portuguesa estão em queda. Acompanham a tendência de alívio dos restantes países da Zona Euro, depois de se ter realizado o primeiro leilão de títulos de longo prazo deste ano. As taxas estão a cair perto de quatro pontos base, afastando-se dos máximos alcançados nos últimos dias.

A queda das taxas das obrigações do Tesouro não se verifica apenas em Portugal, mas também na Alemanha, França e Espanha. É, por isso, transversal aos países da Zona Euro. Entre os vários prazos, os juros da dívida portuguesa a dois anos são os únicos que sobem. Mas a tendência geral é de alívio na pressão do mercado.

Os juros a cinco anos registam uma queda de 2,7 pontos base, enquanto as taxas a sete anos aliviam ligeiramente, isto depois do leilão. A descida também se está a observar no prazo a dez anos, com os juros a recuaram 2,2 pontos base para os 4,093%, depois dos máximos de três anos registados no final da semana passada.

Juros da dívida a dez anos aliviam

Fonte: Bloomberg (Valores em percentagem)

Portugal voltou ao mercado. E voltou a pagar mais para obter um financiamento de 1.180 milhões de euros, aquém do máximo previsto. Depois de ver a taxa disparar na emissão a dez anos no arranque do ano, os juros escalaram no duplo leilão a cinco e sete anos, refletindo o sucessivo agravamento das yields no mercado secundário nos últimos tempos. A taxa no prazo a sete anos chegou aos 3,668%.

Portugal tem estado sob os holofotes dos investidores, mas não pelos melhores motivos. A pressão tem sido provocada pelos receios dos investidores em torno do fim do programa de compras de dívida do Banco Central Europeu, assim como pela indefinição política na Europa, num ano marcado por várias eleições em países como França e Alemanha. Isto além da desconfiança dos investidores em torno da banca.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois dos máximos, juros da dívida aliviam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião