Fitch retira BPI do “lixo” com OPA espanhola

A Fitch colocou o BPI em zona de investimento devido ao apoio institucional do CaixaBank, depois de assumir uma posição de 84,5% no banco português na sequência da OPA.

A agência Fitch melhorou o rating do BPI, retirando-o da zona considerada investimento especulativo (lixo), na sequência do sucesso da Oferta Pública de Aquisição (OPA) do CaixaBank sobre o banco português.

É melhorado o rating de ‘BB’ para ‘BBB-‘, refletindo o apoio institucional conferido pelo CaixaBank, que passou a controlar, a partir de terça-feira, 84,5% do BPI.

“A Fitch acredita que Portugal é um mercado estrategicamente importante para o CaixaBank, como fica demonstrado pelo investimento de longo prazo no Banco BPI (detém uma posição minoritária desde 1995) e pela sua vontade de controlar o banco, apesar do consumo de capital relacionado e das dificuldades inerentes a uma aquisição estrangeira”, justifica aquela agência num comunicado divulgado esta quinta-feira. Também a diminuição da exposição a Angola, com a venda de 2% do BFA à Unitel, pesou na decisão da Fitch.

A decisão da Fitch acompanha as mudanças observadas no BPI esta semana. O grupo catalão é desde a passada terça-feira detentor de 84,5% do capital do banco português, tendo já proposto o nome de Pablo Forero para o cargo de CEO, enquanto Fernando Ulrich passa a chairman da instituição. Devido à reduzida liquidez que apresenta em bolsa, o BPI será excluído do PSI-20 a partir desta sexta-feira. As ações estão a cair mais de 12%.

A agência norte-americana coloca o BPI um grau acima de Portugal, atualmente em BB+. E admite melhorar a notação financeira do banco se o rating de Portugal ou do CaixaBank também for melhorado.

(notícia atualizada às 16h19)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fitch retira BPI do “lixo” com OPA espanhola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião