Nuno Amado comprou quase um milhão de novas ações do BCP

Foram vários os responsáveis do BCP a acompanhar o aumento de capital realizado pelo banco. Destacam-se as compras do presidente executivo Nuno Amado. António Mexia também participou.

Nuno Amado, presidente executivo do BCP, comprou mais de 974 novas mil ações do banco, na sequência do aumento de capital concretizado no início deste mês. O negócio representou um investimento de 91,5 mil euros. Mas Amado não foi o único responsável da instituição a acompanhar o reforço de capital do BCP.

Por exemplo, o “embaixador” António Martins Monteiro, chairman do BCP, adquiriu com a sua mulher 6.540 novos títulos, num investimento de 614 euros. O vice-presidente do conselho de administração, Carlos José da Silva, investiu um pouco mais: cerca de 22 mil euros na compra de 233 mil novas ações. Miguel Bragança, CFO do banco, comprou 343 mil novas ações. E Miguel Pinheiro, vice-presidente da comissão executiva, adquiriu 339 mil novas ações.

Entre outros dirigentes do BCP que aproveitaram o aumento de capital, destaque para António Mexia. Administrador do BCP e atual presidente da EDP, Mexia subscreveu “apenas” 2.265 novos títulos do banco. Gastou 212,91 euros na operação.

No total, foram emitidos mais 14 mil milhões de novos títulos, vendidos ao preço unitário de 0,094 euros. O aumento de capital no valor de 1.330 milhões de euros permitiu ao banco devolver de forma antecipada a ajuda do Estado, ao mesmo tempo que vai ajudar a reforçar os rácios de capital para níveis acima do exigido pelo regulador.

O aumento foi subscrito em boa parte pelos chineses da Fosun, que aumentaram a sua posição para 24%. Já os angolanos da Sonangol passaram a deter mais de 15%, embora tenham assumido o objetivo de acompanhar o grupo chinês para assumir até 30% do capital do banco português.

As novas ações chegaram ao mercado esta quinta-feira. Na sessão desta sexta-feira, o BCP valorizou 0,34% para 0,1472.

Administrador renuncia

Entre as dezenas de comunicados enviados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o banco deu conta ainda da renúncia de João Mendes Resende ao cargo de membro do Conselho de Administração, com efeitos a partir de hoje. Ocupava o cargo de vogal daquele órgão do BCP. Não foram avançadas razões para a demissão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nuno Amado comprou quase um milhão de novas ações do BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião