Finanças: “A Comissão Europeia reconhece o sucesso da estratégia do Governo”

  • Margarida Peixoto
  • 13 Fevereiro 2017

O Ministério das Finanças frisa a melhoria das projeções da Comissão Europeia sobre Portugal. E assegura que estas estimativas garantem a saída do Procedimento por Défice Excessivo já em 2017.

As Previsões de Inverno — publicadas esta segunda-feira pela Comissão Europeia — refletem o reconhecimento do sucesso da estratégia do Governo, defende o Ministério das Finanças, em comunicado. O gabinete de Mário Centeno frisa a melhoria das projeções de Bruxelas para Portugal e assegura que estes números garantem a saída do Procedimento por Défice Excessivo já em 2017.

“A Comissão Europeia (CE), nas Previsões de Inverno sobre a economia portuguesa, reconhece o sucesso da estratégia económica do Governo”, lê-se no comunicado do Ministério das Finanças enviado esta segunda-feira às redações.

O gabinete de imprensa de Mário Centeno dá conta de várias melhorias nas projeções da Comissão para o país. Frisa que a previsão do défice foi revista em baixa, “em 0,4 pontos percentuais em 2016 e em 0,2 pontos percentuais em 2017” e nota que as estimativas para o crescimento foram revistas “em forte alta”. Para 2016 a projeção é de 1,3% (contra 1,2% previstos pelo Executivo) e para este ano é de 1,6% (contra 1,5% das Finanças). “As previsões da CE aproximaram-se das projeções do Governo, confirmando o seu realismo”, sublinha o comunicado.

Sobre o saldo estrutural, Centeno nota que a previsão de ajustamento para 2016 passou de uma degradação de 0,1 pontos percentuais, para uma estabilização do saldo — uma variação que não garante o cumprimento da meta para este indicador, que implicava uma melhoria de 0,6 pontos. Mas o Ministério das Finanças promete que “com o apuramento final das contas públicas de 2016 tornar-se-á ainda mais evidente a melhoria.”

Seja como for, argumenta o Executivo, “ao longo do horizonte de projeção, o défice ficará claramente abaixo dos 3% e o rácio da dívida pública entrará numa trajetória descendente”. Por isso, “a correção durável e sustentável do défice garante as condições para a saída de Portugal, já este ano, do Procedimento por Défices Excessivos”, promete o Ministério das Finanças. Na conferência de imprensa, Pierre Moscovici, comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros assume que haverá que tomar decisões neste capítulo ainda este ano, mas não confirma o sentido da decisão. Valdis Dombrovskis, também hoje, frisou que Portugal pode sair do défice excessivo em 2017, mas também não concretizou.

O Governo diz ainda que “a Comissão confirma a sustentabilidade do padrão de crescimento da economia com a manutenção de um excedente externo ao longo do horizonte de projeção” e sublinha que Bruxelas “reconhece os sólidos sinais de aceleração do investimento privado no final de 2016 e início de 2017” — um argumento que tanto Mário Centeno como o primeiro-ministro António Costa têm defendido.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Finanças: “A Comissão Europeia reconhece o sucesso da estratégia do Governo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião