Feedzai entre as startups tecnológicas que mais crescem

A 'fintech' Feedzai, com sede em Coimbra, integra pelo segundo ano consecutivo a lista "Tech Tour Growth 50", um índice que integra algumas das startups tecnológicas de maior crescimento.

É o segundo ano consecutivo em que a Feedzai integra o índice.DR

A startup portuguesa Feedzai, que aplica tecnologias de inteligência artificial na deteção de fraudes financeiras, integra pelo segundo ano consecutivo o ranking “Tech Tour Growth 50”. O índice inclui apenas marcas tecnológicas de rápido crescimento e “segue critérios rigorosos no processo de seleção das 50 empresas” escolhidas anualmente, indica a Feedzai.

“Sermos selecionados para a lista significa que estamos prontos para ser globais. Ao contarmos com clientes importantes em todos os continentes, provamos que a grande tecnologia pode transcender fronteiras geográficas”, diz Nuno Sebastião, o presidente executivo desta empresa com sede em Coimbra, em comunicado.

As empresas como a Feedzai estão a estimular a necessidade mundial por tecnologia de inteligência artificial acessível, garantindo que a inovação europeia continua a ser competitiva.

William Stevens

Presidente executivo da Tech Tour

O comité do “Tech Tour Growth 50” identifica todos os anos mais de 300 empresas de rápido crescimento. Depois, avalia-as com base em critérios de “crescimento das receitas, potencial de inovação e qualidade da equipa de gestão”, sublinha o comunicado. Na edição anterior, a Feedzai foi a única empresa portuguesa a integrar a lista elaborada pela Tech Tour.

“Estamos muito satisfeitos em contar com a Feedzai, pelo segundo ano consecutivo, no ‘Tech Tour Growth 50’. As empresas como a Feedzai estão a estimular a necessidade mundial por tecnologia de inteligência artificial acessível, garantindo que a inovação europeia continua a ser competitiva”, frisa William Stevens, líder da Tech Tour. Na edição deste ano estão ainda empresas como a WeTransfer, a Babbel e a Improbable.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Feedzai entre as startups tecnológicas que mais crescem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião