BdP: divulgar lista de devedores da CGD é uma ameaça grave

  • ECO
  • 17 Fevereiro 2017

O Banco de Portugal já tem a argumentação preparada para recorrer à decisão do Tribunal da Relação de Lisboa. Em causa está a divulgação da lista dos 50 maiores devedores da Caixa Geral de Depósitos.

O Banco de Portugal argumenta que a divulgação pública da lista de devedores da Caixa Geral de Depósitos é uma ameaça grave à confiança na atividade bancária e à supervisão. Em causa está a decisão do Tribunal da Relação, no âmbito da comissão parlamentar de inquérito, um acórdão que determina o levantamento do sigilo bancário sobre a lista de créditos da CGD. Esta sexta-feira o Jornal de Negócios noticia a argumentação que Carlos Costa vai utilizar no recurso à decisão.

Na decisão os juízes do Tribunal da Relação de Lisboa decidiram que a necessidade de encontrar responsáveis políticos que conduziram à obrigação de recapitalizar o banco público é mais importante do que o segredo bancário dos devedores da Caixa. Contudo, o Banco de Portugal contrapõe que essa revelação terá “gravíssimas consequências” não só na CGD, mas também na estabilidade do sistema bancário, “com séria repercussão no próprio sistema económico“.

É esse o principal argumento do regulador do setor bancário: a divulgação da lista detalhada dos 50 maiores devedores da Caixa Geral de Depósitos será um problema para o banco público, mas também trará problemas de confiança no restante setor financeiro. Citado pelo Negócios, o Banco de Portugal refere que este caso traz “ameaças graves ao elo de confiança absolutamente indispensável à atividade bancária e à sua supervisão“. De realçar que a correspondência trocada não vai ser divulgada.

Segundo a instituição liderada por Carlos Costa, “a informação em causa, pela sua sensibilidade, é suscetível de ter impactos perniciosos na estabilidade do sistema financeiro nacional – interesse público que o Banco de Portugal tem por missão prosseguir”. O Banco de Portugal invoca várias matérias que podem ser afetadas, nomeadamente o acesso ao crédito, questões concorrenciais, segredo comercial e a intimidade da vida privada dos cidadãos e das empresas.

Além de estar preocupado com os efeitos da decisão no imediato, Carlos Costa mostra preocupação com decisões futuras que sejam no mesmo sentido. O Banco de Portugal argumenta que este acórdão do Tribunal da Relação “corre o sério risco de se tornar legitimadora da revelação de informação com impacto perturbador da estabilidade da instituição de crédito em causa e do próprio sistema financeiro (e mesmo económico), bem como na confiança e eficácia da supervisão”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BdP: divulgar lista de devedores da CGD é uma ameaça grave

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião