Vista Alegre regressa aos lucros 5 anos depois

  • Lusa
  • 21 Fevereiro 2017

Ao fim de cinco anos foi possível inverter o ciclo de perdas. A Vista Alegre registou um resultado líquido de 1,7 milhões de euros em 2016.

Fábrica de Porcelana da Vista Alegre, no Complexo da Vista Alegre, em Ílhavo.PAULO NOVAIS / LUSA 23 de agosto de 2013

O grupo Vista Alegre regressou aos lucros cinco anos depois, ao registar um resultado líquido de 1,7 milhões de euros em 2016, anunciou hoje a empresa.

“O resultado líquido consolidado fechou positivo nuns expressivos 1,7 milhões de euros, invertendo assim o ciclo negativo dos resultados, representando uma melhoria face ao período homólogo”, anunciou a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O resultado líquido consolidado fechou positivo nuns expressivos 1,7 milhões de euros, invertendo assim o ciclo negativo dos resultados, representando uma melhoria face ao período homólogo.

Vista Alegre

Comunicado à CMVM

A última vez que a Vista Alegre tinha tido lucro anual foi em 2011, quando registou um resultado líquido de nove mil euros. Em 2015, o grupo registou prejuízos de 814 mil euros.

No ano passado, o volume de negócios subiu 5% para 75,4 milhões de euros e o resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) aumentou 40% para 9,5 milhões de euros. O resultado operacional duplicou (102%) no ano passado, face a 2015, para 5,5 milhões de euros.

O mercado externo foi a grande aposta de vendas do grupo Vista Alegre em 2016. No seu conjunto, a Vista Alegre registou um crescimento de 3,6 milhões de euros no volume de negócios”, refere a empresa, em comunicado. O mercado externo contribuiu com 64% do volume de negócios.

“Analisando as vendas por segmento, a porcelana, considerado o negócio principal” da empresa, “com um peso de 49% no total das vendas, apresentou um crescimento de 5%. O segmento da louça de forno em grés verifica o maior crescimento de vendas, ultrapassando os 22%”, acrescenta a empresa.

“Uma boa ‘performance’ operacional e comercial foi a característica mais marcante do grupo em 2016, que potenciou os bons resultados alcançados”, refere a Vista Alegre.

No ano passado, os investimentos atingiram o valor de 5,6 milhões de euros, com destaque para o segmento da porcelana como o que mais beneficiou com as melhorias pela aposta estratégica.

Relativamente a perspetivas futuras, o grupo afirma que “vai manter o foco na inovação e investigação e desenvolvimento, permitindo-lhe o reforço da notoriedade da marca e uma maior diversificação de produtos para alcançar um maior número de clientes através de canais de distribuição mais variados”. Além disso, “a internacionalização e a inovação vão continuar a ser os focos da empresa”.

O grupo acrescentou que “tem em perspetivas diversos projetos, quer em nome da Vista Alegre Atlantis, quer em nome da Ria Stone, ambos com o objetivo de fomentar a competitividade”, seja por aumento da capacidade, diversificação da produção ou alteração ao processo produtivo.

“Estes projetos demonstram a capacidade da empresa em inovar nos processos e produtos no que aos segmentos do grés (mesa e forno) e cristal dizem respeito. Apesar do segmento do cristal em 2016 ainda não ter alcançado os resultados expectáveis, a partir de 2017 este segmento vai inverter essa tendência, fruto da carteira de novos clientes para produção de garrafas e outros artigos em cristal”, refere a empresa.

Apesar do segmento do cristal em 2016 ainda não ter alcançado os resultados expectáveis, a partir de 2017 este segmento vai inverter essa tendência, fruto da carteira de novos clientes para produção de garrafas e outros artigos em cristal.

Vista Alegre

Comunicado à CMVM

A Vista Alegre considera que a “implementação deste programa de projetos inovadores vai revitalizar a empresa e permitir incrementar o volume de negócios internacional, melhorar a produtividade e a eficiência operacional, e reforçar a sua presença no mundo, perspetivando alcançar maiores níveis de rentabilidade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vista Alegre regressa aos lucros 5 anos depois

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião