Novo Banco: Se Estado ficar com ações é porque o “banco vale”

  • Lusa
  • 22 Fevereiro 2017

O presidente do Novo Banco, António Ramalho, disse hoje que se o Estado ficar com ações da instituição significa que “o banco vale” e que essas ações depois “poderão ser vendidas a bom preço”.

O presidente do Novo Banco, António Ramalho, disse hoje que se o Estado ficar com ações da instituição significa que “o banco vale” e que essas ações depois “poderão ser vendidas a bom preço”.

“Se o Estado português, ou alguma entidade pública, ficar com as ações seguramente que é porque o banco vale e essas ações, mais tarde, poderão ser vendidas a bom preço”, afirmou. Em Évora, à margem de uma conferência promovida pelo Novo Banco (NB), António Ramalho foi questionado pelos jornalistas sobre o processo de venda da instituição bancária a que preside, mas frisou que é “tempo da discrição”.

"Se o Estado português, ou alguma entidade pública, ficar com as ações seguramente que é porque o banco vale e essas ações, mais tarde, poderão ser vendidas a bom preço”

António Ramalho

Presidente do Novo Banco

“Eu não vou fazer nenhum comentário sobre capital. Aliás, o tempo é o tempo da discrição, não é o tempo das declarações”, referiu. Questionado acerca da hipótese de o Novo Banco não ser vendido na totalidade, mas apenas parcialmente, o responsável defendeu que “a melhor opção” será a que “permitir ao banco ficar mais sólido e dar um maior contributo à estabilidade do sistema financeiro, que é, neste momento, um desígnio nacional”.

“A César o que é de César, o que significa, basicamente, que deixem a negociação, neste período particularmente discreto, a quem é responsável por ela”, limitou-se a afirmar. Vincando que a sua missão é “gerir adequadamente o banco”, António Ramalho escusou-se também a revelar se existe algum prazo para finalizar o processo de venda: “Não me pergunte a mim o que é de César. César determinará os prazos”.

Ramalho recordou, contudo, que tem estado “naturalmente otimista” em relação a este processo. “O banco é um banco que tem valor, que tem os seus problemas, que tem a sua maratona para correr, mas vamos corrê-la”, afiançou, à margem da conferência.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco: Se Estado ficar com ações é porque o “banco vale”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião