Bruxelas e BCE em colisão por causa do Monte dei Paschi

  • ECO
  • 23 Fevereiro 2017

Divisões entre Comissão e supervisor podem adiar por tempo indeterminado a reestruturação do problemático banco italiano.

A Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE) estão em desacordo quanto aos planos de capitalização do Monte dei Paschi di Siena, um confronto que pode adiar por mais algum tempo um dossiê que se arrasta nas instituições europeias há dois meses e levanta dúvidas sobre os próprios resgates públicos aos bancos europeus.

De acordo com o Financial Times (acesso pago / conteúdo em inglês), a proposta do governo italiano para reforçar os capitais do Monte dei Paschi, anunciado em dezembro do ano passado, está a provocar divisões entre o supervisor da banca europeia e a Comissão, que controla os auxílios estatais, sobretudo porque têm opiniões diferentes quanto aos resgates com recurso ao dinheiros dos contribuintes.

Por um lado, o Mecanismo Único de Supervisão, o braço de supervisão do BCE, diz estar à espera de Bruxelas para chegar a um acordo quanto ao plano para reestruturar Monte dei Paschi e aprovar o auxílio estatal. No entanto, a opinião da Comissão é que os supervisores devem em primeiro lugar autorizar um plano de capitalização antes de poder finalizar os termos de reestruturação do banco italiano.

Ao FT, vários responsáveis da Zona Euro e banqueiros alertaram para uma “saga bancária” que pode levar meses até ser resolvida, numa altura em que o setor financeiro é um dos principais pontos de preocupação após uma crise que afetou a confiança em quase toda a Zona Euro.

Uma fonte envolvida nas negociações considerou que o processo em torno do Monte dei Paschi é “surreal”.

Estas divisões levantam dúvidas quanto às propostas para resgatar os bancos através do recurso a dinheiro público, incluindo o nível de apoio estatal permitido, o montante de perdas a atribuir aos obrigacionistas e credores dos bancos e ainda a profundidade de reestruturação necessária para tornar os bancos viáveis.

A chamada linha de “recapitalização precaucionária” de bancos solventes é permitida sob as regras da União Europeia, mas pode cobrir apenas o gap de capital identificado no cenário mais rigoroso de um teste de stress, que os reguladores realizam periodicamente para avaliar a saúde dos bancos.

Esta abordagem evita exigências mais rigorosas da UE para que 8% das responsabilidades de um banco em dificuldades – incluindo os obrigacionistas seniores – sejam chamados a responder antes que os fundos públicos possam ser utilizados.

No caso do Monte dei Paschi, está sobretudo em causa a real necessidade de 8,8 mil milhões de euros para dar estabilidade ao banco italiano. Bruxelas quer um plano mais pormenorizado do Mecanismo Único de Supervisão, que estabeleça níveis de perdas esperadas e que explique como as necessidades de capital foram calculadas, com vista à aprovação da ajuda estatal.

As regras comunitárias exigem que as perdas incorridas ou esperadas sejam cobertas por fundos provenientes dos obrigacionistas e acionistas e não por dinheiro dos contribuintes.

É neste âmbito que a Alemanha está particularmente preocupada. O tratamento dado ao Monte dei Paschi pode abrir um novo precedente legal se dinheiro público for utilizado para cobrir perdas do banco. E com isso retirar força às regras pretendem terminar com os resgates públicos aos bancos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas e BCE em colisão por causa do Monte dei Paschi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião