Offshores: Núncio e Rocha Andrade devem ser ouvidos depois do Carnaval

  • Margarida Peixoto
  • 23 Fevereiro 2017

Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, e o seu antecessor, Paulo Núncio, deverão ser ouvidos na próxima quarta-feira sobre as transferências não vigiadas para offshores.

Fernando Rocha Andrade, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, e Paulo Núncio, o seu antecessor, só deverão ser ouvidos no Parlamento depois do Carnaval. A data indicativa que está a ser avaliada pela Comissão de Orçamento e Finanças para agendar as duas audições sobre as transferências de 10 mil milhões de euros para offshores é quarta-feira, 1 de março, adiantou o deputado Duarte Pacheco, ao ECO.

A urgência é assumida por todos: da direita à esquerda parlamentar, os deputados são unânimes em considerar que os esclarecimentos por parte dos responsáveis do Fisco são urgentes. Em causa estão 20 declarações de transferências de dinheiro para offshores, num total de cerca de 10 mil milhões de euros, que escaparam ao controlo do Fisco.

Os requerimentos para ouvir os dois responsáveis políticos diretos, apresentados pelo PSD, foram aprovados esta quarta-feira na Comissão de Orçamento e Finanças e o agendamento das audições já está em curso. Os primeiros a prestar esclarecimentos serão Rocha Andrade e Paulo Núncio.

“Ainda esta tarde” deverão dar entrada outros requerimentos dos social-democratas para juntar à lista das audições, acrescentou Duarte Pacheco. O PSD quer ouvir a atual diretora-geral do Fisco, Helena Borges, mas também os dois ex-diretores-gerais da Autoridade Tributária: António Brigas Afonso, que se demitiu em março de 2015 na sequência do escândalo da lista VIP de contribuintes, e Sérgio Azevedo Pereira. Soma-se ainda o pedido para ouvir o Inspetor-geral de Finanças, Vítor Braz.

Depois de darem entrada, estes requerimentos ainda têm de ser votados pelos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças.

Na quarta-feira, Pedro Passos Coelho, presidente do PSD e o primeiro-ministro no período em que as transferências não vigiadas aconteceram (estão em causa os anos de 2011 a 2014), garantiu que desconhecia o assunto: “Nunca tive conhecimento de qualquer situação destas. Hoje, na oposição, sou o primeiro interessado em que se apure exatamente tudo o que se passou.”

Também António Costa, primeiro-ministro, afirmou no debate quinzenal querer apurar responsabilidades e lembrou que o Governo já pediu uma auditoria à Inspeção-geral de Finanças. No mesmo sentido, Rocha Andrade já tinha assegurado estar disponível para prestar todos os esclarecimentos necessários sobre o assunto.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Offshores: Núncio e Rocha Andrade devem ser ouvidos depois do Carnaval

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião