Marcelo considera que 2016 acabou bem, mas insiste que é preciso crescer mais

  • ECO
  • 1 Março 2017

Chefe de Estado mostrou-se satisfeito com os resultados alcançados em 2016, mas adianta que o desafio para o próximo ano é crescer "claramente acima de 2%, para aguentar a economia".

O Presidente da República considerou esta quarta-feira que o ano de 2016 começou mal e acabou bem, com um crescimento económico de 2% no último trimestre, mas insistiu que o desafio para este ano é crescer acima disso.

“O ano de 2016, que começou mal, com dois trimestres muito fracos, acabou bem. E agora o grande desafio é termos este ano acima disso. Como eu tenho dito, precisamos de um crescimento claramente acima de 2%, para aguentar a economia, para promover a justiça, e para tornar possível o controlo défice”, declarou o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas durante uma visita a um centro da associação Raríssimas, no concelho da Moita, a propósito dos números divulgados esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que considerou “uma boa notícia”.

Segundo o Presidente da República, “são uma boa notícia o crescimento no final do ano de 2% e a noção de que continua este ano, nos dois primeiros meses deste ano”, e “o desemprego em 10,2% é um número positivo também”.

O chefe de Estado salientou igualmente “a ideia de que o investimento está a crescer, embora lentamente, e de que as exportações cresceram, embora lentamente”.

Questionado se o crescimento no final de 2016 corresponde ao que tem pedido, respondeu: “Não, porque o desafio do ano passado era controlar o défice. Isso foi feito. O desafio deste ano e dos próximos anos é crescer muito mais. Isso tem de ser feito”.

“Mas, naturalmente, é uma boa notícia”, ressalvou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo considera que 2016 acabou bem, mas insiste que é preciso crescer mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião