Bava e Granadeiro: GES pagou mais de 48 milhões

  • ECO
  • 2 Março 2017

A Visão revela o interrogatório a Ricardo Salgado. O ex-presidente do BES tenta justificar as transferências para Bava e Granadeiro. Já sobre as de Sócrates invoca o diabo.

Henrique Granadeiro e Zeinal Bava terão recebido mais de 48 milhões de euros do GES. A informação é avançada pela revista Visão esta quinta-feira. Os dois antigos administradores da Portugal Telecom (PT) chegavam a receber mais do que uma transferência no mesmo dia, sendo o dinheiro depositado em contas na Suíça e em Singapura.

A Visão teve acesso ao interrogatório de Ricardo Salgado, de 18 de janeiro deste ano. No total são mais de quatro horas de interrogatório a que a Visão terá tido acesso e onde Salgado foi questionado sobre os cerca de 90 milhões de euros transferidos para políticos portugueses e brasileiros, administradores da PT e para ele próprio.

Segundo aquela publicação, Ricardo Salgado terá procedido a transferências para os dois homens fortes da PT em julho de 2007. Para Granadeiro, numa conta da suíça, terão sido transferidos pelo GES 6,5 milhões de euros. Para Bava, no final desse mesmo ano foram transferidos, através de Singapura, 6,7 milhões de euros. Estes terão sido os primeiros pagamentos dos tais 48 milhões de euros.

Como justifica Salgado as transferências?

Salgado justifica algumas das transferências. Segundo o ex-presidente do BES e acionista da PT, os pagamentos a Granadeiro são para saldar favores antigos, nomeadamente a intervenção do gestor num negócio da família em cerâmicas e que foi mal sucedido bem como para pagar parte da quinta do gestor da PT. Já o pagamento a Bava de mais de 18 milhões de euros, que teve lugar em 2011, é justificado por Salgado com a necessidade de segurar o gestor e a sua equipa até que a Oi tivesse a casa arrumada. No entanto Salgado não terá conseguido explicar a transferência de 6,7 milhões de euros que teve lugar em 2007.

Mas há mais. A revista avança que também Ricardo Salgado terá sido beneficiado com uma transferência de 7,75 milhões de euros. O dinheiro que terá entrado numa conta offshore de Salgado era oriundo da Espírito Santo Enterprise.

Sócrates e o Diabo

“Já ouvi falar várias vezes no diabo. Isto foi o Diabo”. É desta forma que Ricardo Salgado tenta desmontar a “coincidência” entre a data das transferências para o ex-primeiro-ministro José Sócrates e a data de decisões importantes que beneficiaram o patrão do BES. Salgado nega os subornos e diz mesmo que nunca falou com Sócrates sobre a PT.

O Ministério Público adianta que Sócrates terá recebido cerca de 22 milhões de euros. A primeira transferência aconteceu em abril de 2006.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bava e Granadeiro: GES pagou mais de 48 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião