Compra de dívida nacional do BCE em novo mínimo

BCE baixou o ritmo de compra de dívida portuguesa para um novo mínimo histórico, reforçando necessidade de aliviar regras do programa para torná-lo mais efetivo. Juros portugueses estáveis.

Pelo terceiro mês consecutivo, o Banco Central Europeu (BCE) travou o ritmo de compra de obrigações nacionais. Fevereiro marcou um novo mínimo histórico do programa do banco central no que toca a aquisições de dívida do governo nacional. Um sinal de que há cada vez menos títulos portugueses disponíveis, numa altura em que os responsáveis de política monetária manifestam disponibilidade para aliviar algumas regras do plano e, em sentido contrário, aquece o debate em torno do fim dos estímulos quando a inflação começa a dar sinais de subir.

O BCE comprou 656 milhões de euros em obrigações do Tesouro de Portugal no mês passado. O montante compara com os 688 milhões de euros em títulos adquiridos em janeiro e com a média de 1.100 milhões que o programa vinha comprado todos os meses. No total, o BCE detinha 25,95 mil milhões de euros em dívida nacional no final de fevereiro.

Em mercado secundário, os juros associados às obrigações a 10 anos seguiam com uma subida ligeira, de dois pontos base para 3,961%.

O abrandamento no ritmo de aquisição de dívida portuguesa reforça o sinal de que a entidade liderada por Mario Draghi está a ficar com poucas opções no mercado nacional, um cenário que os investidores já vinham antecipando desde o último trimestre do ano passado. A limitação também já foi reconhecida pelo próprio BCE, que manifestou a sua abertura para aligeirar as regras do programa.

Na última reunião do Conselho de Governadores, vários responsáveis indicaram que estão disponíveis para aliviar a aplicação de algumas regras do programa de compra de dívida dos governos da Zona Euro para assegurar uma política expansionista “substancial”, abrindo a porta ao alargamento das compras na periferia, incluindo Portugal, onde a autoridade monetária tem enfrentado limitações no alcance da sua bazuca.

Desvios limitados e temporários” ao capital key — que determina quanto dívida de cada país é que o BCE pode comprar — “são possíveis e inevitáveis” para garantir que os estímulos possam ser implementados como anunciado, era referido nas atas do banco central publicadas em meados de fevereiro passado e que relatam com maior pormenor as discussões entre os membros do BCE na última reunião de política monetária, nos dias 18 e 19 de janeiro. Esta visão foi “amplamente” partilhada entre os membros, que consideraram “imperativo manter um grau de acomodação monetária bastante substancial”.

Apesar desta abertura, começa a subir de tom as vozes contra a manutenção do programa. Isto porque os preços na Zona Euro estão a dar sinais de querer acelerar além da meta do BCE. A inflação tem sido sobretudo alimentada pela escalada dos preços energéticos. Já a inflação subjacente, que exclui os preços energéticos e alimentares e que conta mais na definição das políticas monetárias, permaneceu no último mês nos 0,9%, ainda longe do objetivo em torno de 2% que o banco central assume.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Compra de dívida nacional do BCE em novo mínimo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião