Lesados da PT/Oi queixam-se do Deutsche Bank dificultar acesso a documentos

  • Lusa
  • 9 Março 2017

Mais de 200 clientes que comparam junto do Deutsche Bank 100 milhões de euros em produtos relacionados com dívida da PT queixam-se que o banco está a dificultar o acesso aos documentos.

Protelar a ida para tribunal. É esta a justificação que os mais de 200 clientes que comparam junto do Deutsche Bank 100 milhões de euros em produtos relacionados com dívida da PT encontram para o facto de o banco estar a dificultar-lhes o acesso a documentos.

Segundo a informação dada à Lusa por estes clientes, estes têm visto “a sua vida dificultada por parte do banco alemão de todas as maneiras possíveis (…), desde as mais convencionais (não atender telefone, responder emails, etc) até ao solicitar um valor de 25 euros por cada documento solicitado”.

Estes clientes acusam o banco alemão de lhes ter vendido “de forma irregular e danosa 100 milhões de euros” em produtos estruturados complexos relacionados com dívida da PT (CLN – credit linked notes, com o nome Notes Portugal Telecom 2020) e com os quais tiveram elevadas perdas, tendo recebido apenas 10% do capital investido.

Os clientes já tentaram chegar a um acordo extrajudicial com o banco, mas sem sucesso. Além disso criticam que o banco não faça um tratamento global dos casos de todos os clientes e que peça 25 euros por documentos pela emissão de segundas vias de documentação.

Os clientes acusam, assim, a sucursal em Portugal de tentar impedir os clientes de exercerem os seus direitos, mesmo em tribunal.

Jorge Rocha, um dos clientes que se dizem lesados pelo DB, afirmam à Lusa que muitas das pessoas a quem foram vendidos os títulos “não têm sequer a escolaridade obrigatória, muitos não sabem ler nem escrever e têm produtos com ‘swaps’ de taxa de juro dentro”.

Além disso, acrescentou, apenas receberam 10% do capital quando as obrigações subjacentes no produto valem 35%.

Estes clientes fazem parte de um grupo de investidores que compraram aos balcões de vários bancos – Banco Best, Barclays ou DB – produtos estruturados complexos relacionados com dívida da antiga Portugal Telecom que viriam a estar subjacentes à operadora brasileira Oi com a fusão entre as duas empresas.

No ano passado, com a insolvência da operadora brasileira Oi (que está agora em tentativa de recuperação), estes produtos sofreram perdas consideráveis, já que foi considerado um “evento de crédito” pela Associação Internacional de Swaps e Derivados (ISDA), o que implicou o reembolso antecipado dos produtos financeiros com perdas consideráveis.

No caso deste grupo de clientes do Deutsche Bank tratam-se de 206 pessoas que dizem ter perdido 90% do montante investido.

Queixam-se de que houve irregularidades na venda dos produtos e que o banco não lhes deu informação sobre a evolução da Portugal Telecom (PT) e as implicações que isso tinha para os seus investimentos.

Há um outro grupo de 100 clientes que também foram lesados pela venda destes títulos que vão processar os bancos que serviram de intermediários financeiros, tendo já feito uma queixa ao Provedor de Justiça.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lesados da PT/Oi queixam-se do Deutsche Bank dificultar acesso a documentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião